Living The Life Without Labels

Posts com tag “sbt

Google faz homenagem ao Chaves, porém em data não confirmada

O navegador Google homenageia a Vencidad CH, mas se atreve a dar um dado que não é confirmada por quaisquer meios oficiais.

Com um doodle muito criativo, o navegador do Google faz homenagem ao programa nº 1 da televisão humorística, mas há algumas observações que fazem duvidar da veracidade dos dados.

45th-anniversary-of-the-first-broadcast-of-el-chavo-del-ocho-4814649998442496.2-hp

Segundo o Google, o primeiro episódio do programa foi lançado em 20 de junho de 1971, mas de acordo com nossas conclusões baseadas neste tempo de admiração pelo trabalho de Chespirito, podemos concluir que não há dados oficiais para confirmar que o primeiro episódio do programa foi transmitido nessa data.

A confusão do Google é que há muitos anos um rumor iniciado por um tributo para Chespirito em uma revista, em que o referido meio publicou essa data como a primeiro exibição de um episódio do programa. Essa informação nunca foi apoiada por meios de comunicação oficiais.

Como conhecedores da obra de Chespirito e todas as informações que recolhemos, podemos confirmar que, hoje, há um fato que nos faz conhecer a data original da primeira aparição do personagem Chavo del Ocho na televisão.

O especialista em Chespirito contactado  no Equador, Renato Castro, partilha conosco algumas informações sobre o assunto e vale a pena publicar para incentivar um pouco de dúvida se realmente é o 20 de junho aniversário do programa. Em seguida, a informação obtida:

* Como um primeiro erro nestas informações, devemos dizer que o 20 de junho de 1971 era domingo, mas naquele ano o programa “Chespirito” foi transmitido na quinta-feira.
*
Como se sabe, ele é creditado como o primeiro esboço do Chavo, aquele em que o personagem não tinha nome, mas era simplesmente uma criança que estava caminhando por um parque, e há uma outra menina (María Antonieta de las Nieves) e um vendedor de balões (Ramón Valdés). Correlacionando-se com outras informações, pode ser que um outro personagem tem sido o pai desta criança (Ruben Aguirre). No entanto, não há muitos detalhes sobre este episódio (nem mesmo Televisa voltou a transmitir o vídeo), nem foi confirmada, pelo menos, que foi emitido no ano de 1971.
*
Se formos para o mais real, o programa “El Chavo” abre oficialmente (como esquete no programa “Chespirito”) em abril ou maio de 1972, em uma data não confirmada, mas que se situa entre 27 de Abril e 25 de maio, também uma quinta-feira.

Com estas revelações vale voltar a reformular a pergunta: é realmente o 20 de junho de 1971 a data original da primeira aparição do Chaves na TV?

Ainda assim, o Google fez uma grande homenagem para a Vencidad CH.

Traduzido de Vencidad CH

Metaleira, Rachel Sheherazade diz que aprendeu história ouvindo Iron Maiden

Daniel Buarque
Do UOL, em São Paulo

2013---rachel-sheherazade-ancora-do-sbt-brasil-1364324160768_300x420

A jornalista Rachel Sheherazade estava longe de ser a controversa apresentadora do telejornal “SBT Brasil” e do “Jornal da Manhã”, da Rádio Jovem Pan, quando começou a estudar política internacional e a importância do primeiro ministro britânico Winston Churchill na história da Segunda Guerra Mundial. A origem do interesse pelo tema, porém, não veio de um livro, mas do gosto da jornalista pelo heavy metal, mais especificamente pelo Iron Maiden, uma de suas bandas preferidas desde os 12 anos de idade.

“Muitas canções eram verdadeiras aulas de história. Foi através de uma música do Iron que ouvi falar de um ‘tal’ Winston Churchill. Na introdução de ‘Aces High’, que fala dos ataques aéreos da Inglaterra durante a Segunda Guerra, há um trecho de um famoso discurso do premiê. Aprendi muito com a banda e aproveitei para aperfeiçoar o meu inglês também”, disse, em entrevista ao UOL.

Às vésperas do festival Monster’s of Rock, que vai reunir alguns dos nomes mais importantes do rock pesado em São Paulo, Sheherazade diz que é eclética e gosta de rock pesado, mas não vê o estilo como machista e nunca sofreu preconceito por ser roqueira. “Vejo machismo e depreciação das mulheres no funk. É deplorável”, disse.

UOL – Você já disse em entrevista que gosta de bandas de rock pesado, como Iron Maiden, e que já quis ser roqueira. Como definiria seu gosto musical em relação a essa cena de heavy metal?
Rachel Sheherazade – O heavy metal é um dos vários estilos musicais que aprecio. Também gosto de rock, pop, blues, jazz, gospel, reggae… Gosto de muita coisa. Mas, na seara do heavy metal, prefiro o Iron Maiden a qualquer outra banda, que, na minha opinião, é quem melhor representa o “metal pesado”.

capa-do-disco-live-after-death-do-iron-maiden-1428968563672_300x300Conheci o Maiden ainda criança, aos 12 anos, através do meu irmão mais velho, que me apresentou o álbum “Live After Death”. O encarte do LP já me encantou de cara. Aquele monstro meio morto, meio vivo, saindo de uma sepultura, num antigo cemitério inglês em meio a uma tempestade de raios… fiquei petrificada. Nessa época, eu tinha uma fascinação e grande curiosidade por cemitérios. Amava filmes de terror e do Hitchcock. Quando ouvi aquela música furiosa, e ao mesmo tempo melodiosa e elaborada, na voz do Bruce Dickinson, me apaixonei pela banda.

Tempos depois passei a traduzir, por conta própria, as letras das músicas (nesse tempo não havia Google). Minha admiração só aumentou, porque muitas canções eram verdadeiras aulas de história. Foi através de uma música do Iron que ouvi falar de um “tal” Winston Churchill. Na introdução de “Aces High”, que fala dos ataques aéreos da Inglaterra durante a Segunda Guerra, há um trecho de um famoso discurso do premiê. Aprendi muito com a banda e aproveitei para aperfeiçoar o meu inglês também.

O machismo é frequentemente apontado como uma característica do rock pesado. Você já enfrentou alguma manifestação machista por gostar de rock?
Nunca. Nunca fui vítima de machismo por gostar de rock pesado. E olha que eu morava numa cidade pequena. Eu era uma menina tímida e introvertida, que, no entanto, gostava de rock pesado. Meus colegas não entendiam meu gosto musical exótico. A maioria não gostava de heavy metal, mas me pedia para que eu desenhasse o “Eddie” [o monstro mascote do Iron Maiden] em seus cadernos. Se muitos meninos não gostavam de rock pesado, imagina as meninas?!

rachel-sheherazade-ancora-do-sbt-brasil-1399497078106_300x300Eu não tinha uma amiga com quem conversar sobre as novas músicas do Iron, os clipes recém-lançados, as letras, enfim… Não tinha com quem dividir essa “paixão” pelo Iron Maiden. Então, no meu colégio, descobri um grupo pequeno de roqueiros, que se vestiam de preto, calças rasgadas, usavam cabelões até a cintura… Era com eles que eu conversava sobre a banda, trocávamos figurinhas, mas nunca fui tratada com desrespeito ou preconceito. Éramos todos iguais.

Em shows de rock pesado, geralmente não há muitas mulheres no público. Você costuma frequentar esses shows? 
Sempre sonhei em ir a um show do Iron Maiden, mas nunca fui. Minha cidade não era roteiro desse tipo de banda. Acompanhava as apresentações do Iron no Rock in Rio pela televisão. Acho que o heavy metal não é um estilo que agrade a maioria das mulheres. Quando me casei, fiz meu marido me prometer que um dia ele me levará a um show do Iron Maiden. Ele não gosta, mas prometeu me acompanhar. Não vejo a hora desse dia chegar.

Quando se fala sobre mulheres na cena metal, discute-se a exploração da sensualidade de mulheres que fazem parte dela. O que você acha desse tipo de exploração da imagem feminina?
Não encaro o heavy metal como um estilo musical machista. Não vejo essa exploração excessiva da sensualidade feminina. Talvez eu esteja desinformada, mas como sempre concentrei minhas atenções e minha “devoção” no Iron Maiden, nunca percebi machismo em suas músicas. Vejo machismo e depreciação das mulheres no funk. É deplorável.

Fonte: UOL Música


7 coisas que acontecem na Vila do Chaves durante um jogo do Brasil

20140702114308

Quando é dia de Seleção Brasileira em campo, a Turma do Chaves também se reúne na Vila para assistir e sofrer com os nossos craques.

Separamos 7 momentos desse pessoal durante uma partida do Brasil, com direito a muita emoção e gente achando que manda melhor do que nossos jogadores. Olha só:

7 MOMENTOS DA TURMA DO CHAVES NO JOGO DO BRASIL

1) “VOU ENSINAR AO JÚLIO CÉSAR O TIRO DE META”

chaves_tirometa

2) “CARTÃO, SEU JUIZ?”

chaves_cartao

3) “É ASSIM QUE SE FAZ, NEYMAR”

chaves_neymar

4) “ACABOU A PRORROGAÇÃO E VAI TER PÊNALTIS?”

chaves_penaltis

5) “GOOOOOLLLLLL”

chaves_gol

6) BRASIL JOGOU MAL: “TERIA SIDO MELHOR IR VER O FILME DO PELÉ”

chaves_pele

7) BRASIL JOGOU BEM

chaves_aplausos

Fonte: SBT


Buscas por Chaves e Chapolin na internet disparam com Seleção do México no Brasil

Foto: Reprodução/Google Trends

Foto: Reprodução/Google Trends

 

O Google tem feito uma análise dos termos mais buscados pelos internautas durante os jogos que acontecem no Brasil. Chamada de Google Trends, a ferramenta avalia as pesquisas e monta painéis sobre os temas do momento envolvendo as seleções e suas torcidas no mundo todo.

Após a partida entre Brasil e México, que terminou em 0 a 0, as buscas por Chaves e Chapolin dispararam no nosso país. A explicação? “As buscas pelo famoso personagem mexicano, o Chapolin Colorado, dispararam no Brasil após mexicanos se fantasiarem de Chapolins e Chaves para torcer pela sua equipe”, diz o site.

 

Fonte: SBT


Rosa no Programa do Ratinho

bg-0

O Rosa de Saron participará nessa quarta feira, dia 25, do Programa do Ratinho.
O Programa vai ao ar pelo SBT por volta das 22h!
Contamos com a audiência de todos!

Fonte: Rosa de Saron


Piadas de “Chaves” que não cansamos de usar

chaves-old

“Isso, isso, isso!” Hoje, 20 de junho, faz 43 anos que o programa “Chaves” estreou na televisão mexicana e, para comemorar, selecionamos as piadas que todo fã do programa conhece e não cansa de usar!

Disco Voador

Nem a NASA fala tanto de discos voadores quanto os fãs de “Chaves”, que se utilizam do aviso de “Já chegou o disco voador!” em situações da vida real – como quando você está aprontando na escola e o professor pode chegar a qualquer momento.

Aula de Inglês

Com incríveis e inteligenes trocadilhos, “Chaves” nos consegue fazer rir sempre com as mesmas piadas. Quem nunca falou “Gaviaion” e “Blue Marinho” para fazer graça por aí?

A fadiga

Jaiminho, o carteiro do seriado, ensinou a toda uma geração o que se tornaria um lema para os preguiçosos: dizer que não faz algo para evitar a fadiga. Apenas genial!

O filme do Pelé

Das muitas modificações que “Chaves” sofreu ao ser adaptado para o Brasil, a expressão/resposta “preferia ver o filme do Pelé” é uma das mais reproduzidas pelos fãs, simplesmente por ser utilizada em quase todas as situações do dia a dia. No original, Chaves preferia ver o Chanfles. Mas o que seria melhor, assistir o Chanfles ou ver o filme do Pelé?

Qualquer música

Da abertura às clássicas “Que Bonita sua Roupa” e “Se Você é Jovem Ainda”, é raro encontrar alguém que cresceu na década de 1990 que não conheça as músicas de “Chaves” e a cite hora ou outra, quando a situação pede. Não há, por exemplo, como evitar declamar “De volta o cão arrependido” quando vemos alguém voltando de algum lugar com cara feia.

 

Fonte: POP


Mara Maravilha quer voltar à TV e diz conhecer a depressão

A ex-apresentadora fala sobre as perdas que sofreu, a insegurança com a aparência e garante que voltaria para a TV em um reality show