Living The Life Without Labels

Posts com tag “rocker

Itens à venda no Mercado Livre para colecionadores – Revistas de Rock

Paz, amigos do Jesus, Vida & Rock’n’Roll! Esse post é de caráter de divulgação, pois estou me desapegando de parte do meu acervo. São algumas edições da Roadie Crew, Metal Head e Templo Metal. Para mais informações e adquirir os produtos, basta clicar nos links a seguir:vendas-roadie-ml

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 126 Chickenfoot

Revista Roadie Crew – Ano 10 Nº 109 Iron Maiden

Revista Roadie Crew – Ano 10 Nº 104 Saxon

Revista Roadie Crew – Ano 11 Nº 118 Motörhead

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 124 Deep Purple

Revista Roadie Crew – Ano 11 Nº 113 Testament

Revista Roadie Crew – Ano 11 Nº 116 Rush

Revista Roadie Crew Ano 11 Nº 114 – Whitesnake

Revista Roadie Crew Ano 11 Nº 121 – Metallica

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 128 – Immortal

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 132 – Slayer

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 134 – Slash

Revista Roadie Crew – Ano 15 Nº 162 Kreator

Revista Roadie Crew – Ano 15 Nº 170 Metallica

Revista Roadie Crew – Ano 17 Nº 186 Ratos De Porão

Revista Roadie Crew – Ano 17 Nº 192 Angra

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 127 Steve Vai

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 129 Manowar

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 131 André Matos

Revista Roadie Crew – Ano 12 Nº 133 Dream Theater

Revista Roadie Crew – Ano 13 Nº 136 Especial Bay Area

Revista Roadie Crew – Ano 13 Nº 138 Korzus

Revista Roadie Crew – Ano 14 Nº 149 Sepultura

Revista Roadie Crew – Ano 14 Nº 152 Dream Theater

Revista Roadie Crew – Ano 15 Nº 164 Scorpions

Revista Roadie Crew – Ano 15 Nº 165 Testament

revista-metal-head-extra-2007-encadernado-rock-heavy-metal-773101-MLB20270174400_032015-O

Revista Metal Head Extra 2007 Encadernado Rock Heavy Metal

gm_23

Revista Templo Metal Nº 1 (formato Pocket – Rock Cristão)

Então, aproveitem e boas compras! God bless you all! \m/_


Rachel Sheherazade canta com Ultraje a Rigor no ‘The Noite’

Reprodução/ SBT

Reprodução/ SBT

 

 

RIO — Raquel Sheherazade foi a convidada desta quarta-feira do programa “The noite”, novo talk show de Danilo Gentili, no SBT. Fã de rock e heavy metal, a jornalista do “SBT Brasil” exibiu desenvoltura ao cantar e dançar a música “Eu quero invadir sua praia”, junto com o Ultraje a Rigor no palco.

O conhecimento musical da jornalista foi testado. Ela tentou identificar clássicos do rock e metal a partir de notas tocadas pelo grupo, acertando apenas “Wasted Years”, do Iron Maiden. Sheherazade também deixou o lado sério de lado e caiu na gargalhada ao assistir uma montagem dela cantando o hit de Valesca Popozuda, “Beijinho no ombro”.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/rachel-sheherazade-canta-com-ultraje-rigor-no-the-noite-11868152#ixzz2vrM39Ctj
© 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Ouça e baixe o som da nova banda de rock’n roll Kansas Bible Company

 

 

Kansas Bible Company é uma banda de 11 irmãos que tocam rock and roll, surf e soul. O ‘Illegal Johnny Sampler’contém 2 novas canções além do álbum recente, ‘Hotel Chicamauga’, 1 versão ao vivo ainda não lançada de ‘How to Build a Planet’ e 2 faixas gravadas no último ano.

Para o download free acesse: Noise Trade.


Dia Mundial do Rock

Nenhum outro ritmo tem um dia separado no calendário mundial como o rock. Mas talvez, nenhum outro seja tão polêmico e controverso dentro e fora das igrejas. Em 13 de julho de 1965 foi realizado na Filadélfia (EUA) e em Londres (Inglaterra) o ‘Liv Aid’, um festival de música com artistas do pop e do rock mundial, que lutava para resolver os problemas da fome na Etiópia. A partir daí, comemora-se no dia 13 de julho, o Dia Mundial do Rock. E pegando carona na data que cai no próximo domingo, vamos conhecer um pouco mais desse gênero musical, que para muitos, é um estilo de vida. O início do rock, até hoje não tem uma data exata, mas a década de 50 é considerada fundamental para o estilo. Em 1951, um locutor americano apresentou em sua rádio músicas de cantores negros e brancos, sem distinção e para esse ritmo que nascia, ele usou pela primeira vez o termo rock and roll, antes utilizado para referir-se ao ato sexual em letras de música. Desde o começo o rock sofreu influências da música negra norte-americana, como o blues e o R&B, passando por várias fases durante os seus mais de 50 anos de história e ganhando diversas categorias como punk, folk, progressivo, grunge, heavy metal, hard rock, entre outras. Mas foi no início da década de 1950 que surgiu Elvis Presley, considerado o ‘Rei do Rock’, com sua voz potente e movimentos sensuais, chocando, na época, a sociedade norte-americana. Depois dele, o estilo foi difundido por todo os Estados Unidos e se espalhou pelo mundo, dando origem a um grande movimento jovem, por vezes rebelde, e finalmente se consolidando como um fenômeno para as massas. A partir de então, a lista de astros do rock só cresceu: The Beatles, banda inglesa que marcou a década de 1960 e fez surgir o termo beatlemania; Rolling Stones, considerados os bad boys do rock’n’roll com sua música debochada e ousada; Led Zeppelin; Bob Dylan; The Police; Iron Maiden; Metallica; Guns’n’Roses; Nirvana; Foo Fighters, e os mais recentes, The Strokes, Coldplay, Blink 182, Linkin Park, Evanescence, System of a Down, entre outros. E na música secular brasileira, são conhecidos Legião Urbana, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso e Raul Seixas, que cantava que o ‘diabo é o pai do rock’. O rock, por tocar muitas vezes em assuntos polêmicos e ter um som mais barulhento, onde instrumentos como a guitarra e bateria podem ser bastante ouvidos, já causava espanto na época em que surgiu e até hoje é visto com maus olhos por algumas pessoas, principalmente dentro da igreja. Já houve um tempo em que era tratado como um ritmo inimigo do povo de Deus, e em muitas pregações era mencionado como estratégia satânica para tirar os jovens do caminho certo. Hoje em dia, essa situação já vem se transformando em várias igrejas e cantores do meio gospel utilizam o rock para abençar muitas vidas. Um dos nomes do rock cristão é o pastor e cantor PG, que recentemente lançou o DVD ‘Eu Sou Livre’, pela MK Music. Para PG, ter um dia reservado para o rock só reafirma que o estilo é admirado no mundo todo. ”A gente traz o rock pra igreja para mostrar que ele pode ser curtido com santidade. É muito bom falar de Jesus através dele. Hoje têm muitos jovens em todo o mundo que conhecem a palavra e se converteram através da mensagem de Cristo tocada pelo rock. Fico muito feliz pelo estilo ser lembrado”, comemora o adorador. Conhecida nacionalmente como uma das maiores bandas de rock, dentro e fora do mercado gospel, a Oficina G3 vem trasmitindo a mensagem de Deus através desse ritmo desde a década de 80. Para Juninho Afram, vocalista da banda, o rock é um estilo contagiante e que todas as idades gostam. “Eu diria que o rock é emocionante. E no meio evangélico é uma ferramenta muito poderosa, porque fala a linguagem dos jovens. Isso é muito bom, pois assim, muitos deles ouvem a palavra de Deus num estilo musical que se identificam”, compartilha o cantor. Para Flávio Lages Rodrigues, baterista da banda de rock e Ministério Post Trevor e um dos líderes do Ministério Planet Youth da Igreja Batista da Lagoinha, ter um dia próprio como manifestação mostra a relevância do gênero musical. Flávio é autor de dois livros sobre o tema, lançados pela MK Editora: A Liberdade do Espírito na Vida e no Rock e o Rock na Evangelização, que mostra como as igrejas estão refletindo sobre o fato de que ele também pode ser utilizado como manifestação cultural na evangelização dos ambientes Underground?s e Alternativos e, assim, passar de vilão a aliado na luta espiritual que está sendo travada para ganhar almas para o Reino de Deus. “Para nós cristãos, o rock é porta voz de uma juventude, uma tribo, ferramenta para evangelização, que transcende a questão do estilo musical, estética, postura e atitude. A polêmica que ele causa tem uma questão que está por trás, e não fica apenas na música. Há um preconceito que veio com uma elite que queria impor que tudo o que vinha da Europa era bom e o q vinha da África era ruim, com mais suingue, velocidade. Já existia uma estrutura por trás pra colocar o rock como demoníaco, diabólico”, explica Flávio. O fato é que o rock é um sucesso mundial e é o único gênero musical a ter um dia especialmente para comemorá-lo. Dia 13 de julho, dia do estilo que, entre polêmicas e discussões, tem levado muitas vidas à conhecerem Jesus Cristo. E, na verdade, isso que importa.

Fonte: MkMusic

 

Leia mais sobre o rock e sua relação com o cristianismo:

https://amngospel.wordpress.com/2011/10/09/quem-e-o-pai-do-rock-afinal/

https://amngospel.wordpress.com/2011/03/23/igreja-presbiteriana-cede-templo-para-shows-de-rock/

https://amngospel.wordpress.com/2010/03/04/a-historia-que-ninguem-contou/

https://amngospel.wordpress.com/2009/09/28/herois-da-fe/

https://amngospel.wordpress.com/2009/09/28/larry-norman-o-pai-do-rock-cristao/

https://amngospel.wordpress.com/2009/09/28/existem-bandas-cristas/

https://amngospel.wordpress.com/2009/09/27/hello-world/


Para a Nossa Tristeza: A história da banda Exodos (autores da canção Galhos Secos) que foi expulsa da Igreja Batista

A música “galhos secos”, da banda de rock cristão (da déc. de 70) Exodos, na polêmica performance de Jefferson e Suellen , se tornou o maior viral nacional desde que Luiza voltou do Canadá e sumiu novamente em Salvador….
Conheça mais sobre a Exodos, o grupo que compôs esta bela canção e foi excluído da igreja Batista em 1976 em um ato descabido de intolerância – um farisaismo musical que, para a nossa alegria, a denominação deixou para trás há trinta anos. 
A seguir, a nesta matéria do Renascer Prime e do Arquivo Gospel:

 

Êxodos é o nome da primeira banda brasileira de rock evangélico que se tem conhecimento. A banda iniciou sua formação em 1970 e a partir do ano seguinte começou a se dedicar ao rock. Em seus 7 anos de existência não chegou a gravar nenhum disco, mas agitou a mocidade da época, bem como provocou polêmicas dentro e fora da igreja, vindo a ser até matéria de reportagem da revista VEJA, por duas vezes. Uma das músicas da banda, Galhos Secos gravada pelos grupos SOM MAIOR, CATEDRAL e RUTHS, é conhecida até hoje.
O fim da banda aconteceu depois da pressão por parte de líderes da Igreja Batista, da qual faziam parte.
Em 2007 a banda lançou seu primeiro cd com treze canções de seu repertório original, entre elas a música “Galhos Secos”. Para adquirir, entre em contato:  e-mail: bandaexodos@terra.com.br
Na entrevista concedida ao Arquivo Gospel em 20/06/2005, os integrantes Edson, Osvair e Osni falaram sobre a exclusão da igreja Batista, além da forte repressão que o rock sofria dentro das Igrejas Evangélicas.
Como e quando se deu o início da banda Êxodos?
ÊXODOS: Tudo começou em 1970. Fazíamos parte do grupo de adolescentes da Igreja Batista de Vila Bonilha em São Paulo  SP quando nos conhecemos. Com uma formação musical obtida à base de professores particulares e muita intuição, iniciamos nossas apresentações na Escola Dominical (cultos de estudo bíblico realizado nas manhãs de domingo). Durante o momento do louvor entoávamos cânticos, chamados na época de corinhos, utilizando apenas dois violões e partes de uma velha bateria. Com o passar do tempo, os arranjos evoluíram para o rock que era o nosso estilo favorito. O som foi melhorando em qualidade e nossas vidas foram sendo lapidadas por Deus. Em 1971 passamos a compor músicas que eram tocadas nos cultos regulares da igreja. Recebemos de alguns membros incentivo moral e apoio financeiro; foi quando compramos uma aparelhagem nova. Nosso novo estilo de música rock não tradicional num templo evangélico, nossa maneira extravagante de se vestir e nossas letras que protestavam contra as emoções passageiras como drogas, bebidas, amor livre, e valorizavam uma nova vida em Cristo Jesus, foi contagiante e atraiu muitas pessoas para os então concorridos cultos da igreja; na maioria jovens não crentes que viam em nós algo diferente e descobriam que Jesus não era careta. Logo surgiram convites para apresentações em outros locais: igrejas de diversas denominações, acampamentos, festivais de música evangélica e, em todos eles, para nossa alegria, jovens tinham suas vidas transformadas; eram como flores brotando em galhos secos. Percebemos então que algo sobrenatural estava acontecendo: estávamos sendo usados por Deus. Colocamos nosso talento em suas mãos e foi assim que começamos.
Como é que surgiu o nome da banda? Por que o nome Êxodos? 
Sendo Jesus a razão do nosso viver, sentimos uma nova vida dentro de cada um e logo no início passamos a nos apresentar como Conjunto Nova Vida, mas certo dia, olhando para os jovens à nossa frente enquanto tocávamos, percebemos que muitos buscavam essa nova vida, procuravam uma nova terra prometida. Escravos do vício, prisioneiros do pecado, estavam sendo libertos. Saindo como os hebreus do Egito eram vidas sendo transformadas por Deus. Surgiu daí o nome da banda: Êxodos.
Quem era quem na banda? 
Iniciamos com: Edson bateria, Eli  Baixo, Nelson vocal, Osny  guitarra solo e Osvair  violão e guitarra base. Em 1973, com a vinda do Lucas calu para a banda, evoluímos tanto na qualidade de voz quanto nos arranjos e daí surgiu a formação ideal e definitiva com quatro integrantes: Edson  bateria, Lucas  violão, guitarra base e vocal, Osny  guitarra solo e vocal, Osvair  baixo e vocal. O Lucas compôs algumas canções, entretanto a maioria das nossas músicas foram compostas pelo Osny e Osvair.
Como estão hoje os 4 integrantes da banda?
Atualmente estamos beirando os cinqüenta anos de idade e após o término da banda em 1977, ficamos afastados da Igreja por um bom tempo, mas continuamos firmes na fé. Continuamos convictos da importância de exaltar Jesus Cristo através da música gospel e sempre que possível, nos reunimos na casa do Osvair, montamos nossos instrumentos e fazemos um culto de louvor com novos cânticos, mas não deixamos de cantar algumas das canções da banda Êxodos que marcaram nossas vidas e a vida de muitos jovens nos anos 70.
Quantas músicas cristãs vocês chegaram a compor? Ainda continuam compondo?
Não dá para saber ao certo. Foram mais de cinqüenta músicas que fizeram parte do repertório da Banda Êxodos. O Osvair e o Osny não pararam de compor. Vez ou outra quando nos reunimos surge um novo cântico nos mais variados estilos. Agradeço a Deus por ter dado esse talento a eles.
Não houve nenhuma oportunidade de gravar um disco na época? 
Estávamos prontos para gravar, mas o custo estava além de nosso alcance e a igreja que freqüentávamos ficava na periferia de São Paulo e não dispunha de recursos financeiros suficientes. Procuramos um estúdio ou gravadora evangélica, mas acho que não havia, pois não conseguimos encontrar. A mídia não divulgava a música evangélica como hoje em dia e, infelizmente, forçados a parar com o conjunto, pouco ficou registrado.
Como vocês foram parar em duas reportagens da Revista VEJA daquela época?
A primeira reportagem, VEJA nº 273, de 28 de novembro de 1973, refere-se à Semana de Oração, promovida pela Associação Cristã de Moços – ACM de Pinheiros, em São Paulo, que reuniu em um ginásio de esportes, católicos, batistas, presbiterianos, pentecostais e metodistas, para uma confraternização ecumênica. Foram apresentados palestras, jograis, debates e diversas outras atividades pelos representantes de cada denominação. Nossa banda foi convidada pela ACM para se apresentar no encerramento do evento e dirigir o louvor e, por esse motivo, fomos citados na reportagem como participantes.A segunda reportagem, VEJA nº 428 de 17 de novembro de 1976, refere-se à nossa saída da Igreja. Na ocasião, fomos procurados por uma repórter que disse ter visto uma de nossas apresentações, mas não me lembro os detalhes ao certo. Após saber do ocorrido, ficou interessada em nos entrevistar.
Vocês tocaram por 3 anos no templo da Igreja Batista de Vila Bonilha, em São Paulo. Como eram essas apresentações?
No domingo sempre demos prioridade à igreja. Nossas apresentações em outros locais eram realizadas aos sábados. Na Escola Dominical acompanhávamos a classe de jovens e adolescentes em suas apresentações. À tarde fazíamos o culto ao ar livre em praças do bairro utilizando apenas violões. Já os cultos da noite eram concorridos; muitas vezes havia a necessidade de se fazer dois, tal era a quantidade de pessoas, na maioria jovens que vinham na igreja para ver e participar de algo diferente dos padrões evangélicos para a época. E quando retornavam no outro domingo sempre traziam mais alguém com eles. Geralmente eram tocadas quatro ou cinco músicas de nosso repertório e depois a gente dirigia o louvor.
Vocês participaram de outras atividades e igrejas, além da Igreja Batista de Vila Bonilha?
Nosso conjunto participou por duas vezes do festival de músicas evangélicas em Itajubá-MG. Na primeira vez em 1972 ganhamos com a música Maravilhas que Cristo fez por mim e no ano seguinte ficamos em terceiro lugar com a música Galhos Secos. Também participamos em um programa na TV Gazeta, acampamentos, encontro ecumênico realizado na ACM, encontro de jovens. Éramos convidados para tocar em Igrejas de diversas denominações: Batista, Presbiteriana, Pentecostal, mas infelizmente o Rock não era bem visto pelos conservadores da época que diziam: “O rock é do diabo; se tocarem qualquer disco de rock ao contrário ouvirão mensagens demoníacas”.

No início a banda tocava, como vocês diziam, um “som maneiro” que agradava muita gente. Mas como era esse som?
Apesar de roqueiros convictos, sabíamos que esse estilo de música dentro de um templo evangélico não era bem aceito na época e com certeza provocava reações contrárias. Alguns membros davam total apoio, mas infelizmente uma grande parcela se mostrava descontente. Mesmo vendo a igreja lotada diziam: “vocês precisam maneirar”. Preferiam o estilo tradicional norte-americano. Permitiam apenas alguns corinhos lentos e tocados dentro de uma certa rigidez formal, sem muita bateria, sem gestos ou palmas, ou seja, sem liberdade de espírito. Para não fazer frente à oposição e respeitando a hierarquia da igreja, tocamos por muito tempo uma ou duas músicas mais agitadas, que era o polêmico rock, e depois duas ou três um pouco mais lentas, com arranjos maneiros “suaves”.
Depois vocês evoluíram para um controvertido “rock pauleira”. Quais foram as novidades desse novo som do Êxodos? Houve influências diretas da música de cantores e bandas não-evangélicas da época?
Durante os ensaios e sempre que convidados a nos apresentar em outros locais, a banda tocava normalmente as músicas do repertório. Nosso objetivo sempre foi o de louvar a Deus com o talento que ele nos deu, sem a preocupação de evitar essa ou aquela música e com certeza o rock pauleira que talvez para os dias de hoje nem fosse tanta pauleira assim, já era tocado.

A evolução para o rock pauleira, conforme reportagem feita pela revista Veja em novembro de 1976, foi quando decidimos que em nossa igreja não iríamos mais maneirar. Era um momento de romper barreiras, quebrar preconceitos. Era um movimento do Espírito Santo que estava acontecendo. Começamos a nos perguntar: Será possível um dia adorar a Deus com liberdade de expressão? Porque os jovens crentes não podem louvar ao Senhor tocando rock evangélico? Era importante fazer alguma coisa e decidimos então tocar com sinceridade e do jeito que Deus colocou em nossos corações, pois temos que oferecer o melhor para ele, e não ficar presos à vontade de certas pessoas, costumes e tradições. Quanto às influências de bandas não-evangélicas, houve sim, pois o rock nacional contagiava muitos jovens com músicas de protesto, devido às restrições impostas pelo regime militar. Bandas como os Mutantes, o Terço, e o Made in Brazil, de excelente qualidade, trouxeram novas técnicas influenciando nossos arranjos. Era preciso estar atualizado e não havia referências no meio evangélico, mas sempre nos preocupamos em divergir desses três conhecidos luzeiros do rock nacional em razão de um compromisso com Deus.

Como é que foi esse incidente com a vizinha da igreja que se incomodou com o “rock pauleira” da banda e queria dar queixa à polícia?
O movimento contra nosso estilo de música na igreja era latente, entretanto não havia para os conservadores razões que justificassem ou impedissem nossa permanência, pois a igreja estava crescendo, os cultos eram uma benção e o pastor Samuel de Andrade, nos dava total apoio. Sempre soubemos respeitar os horários estabelecidos pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) e até havia um bom relacionamento com essa vizinha. Posteriormente, convencida por alguns membros, a vizinha mudou de lado, passou a nos combater não importando qual fosse a hora. Dizia que não suportava o estridente som do Êxodos. E o incidente só não evoluiu para uma situação mais delicada porque o pastor Andrade convenceu a vizinha a não apresentar queixa à polícia, como ela ameaçava, argumentando tratar-se de um assunto interno de seu templo e de sua inteira competência. Naquela época, a igreja tinha como dever, promover a ordem dentro de princípios morais estabelecidos pelo regime militar através do AI-5 (Ato Institucional do Ministério da Justiça). Para os que faziam oposição ao pastor e ao nosso conjunto, esse fato caiu como uma luva, agora tinham um motivo. Inflamados em uma reunião diziam: fora com esses rebeldes, fora com o Êxodos !
Quer dizer que havia, também, membros na própria Igreja Batista de Vila Bonilha que queria o fim ou a saída da banda Êxodos?
Sim, alguns membros eram contrários ao nosso estilo de música e não aprovavam a utilização de instrumentos musicais como guitarras e bateria dentro do templo. Não era uma questão pessoal; apenas preferiam o estilo tradicional e essa atitude talvez ainda ocorra em algumas igrejas nos dias de hoje. Promoveram uma seção extraordinária e com a maioria dos votos decidiram que deveríamos parar de tocar. Temos que saber respeitar os diversos pontos de vista e prefiro não julgar se estavam certos ou errados.
Houve outros incidentes semelhantes a esse da vizinha?
Bom, os demais incidentes se resumem ao nosso estilo de música, mas aqueles que nos convidavam sabiam como era o som. Por vezes nos impediam de tocar no templo, o que para nós não era surpresa. Sem problemas, íamos lá pro salão da mocidade, pois o que importava era adorar em espírito e em verdade. Graças a Deus, incidentes semelhantes ao da vizinha não houve.
Como se deu a “exclusão” de vocês da igreja?
Apesar de ouvir tantas barbaridades, de muitas vezes ser impedidos de tocar no templo e convidados a tocar no salão da mocidade, continuamos firmes na certeza de que estávamos louvando a Deus e valorizando a nova vida através da fé em Cristo Jesus. Porém ao sermos convidados a sair da Igreja (“excluídos”) em 1976, na época tínhamos entre 18 e 20 anos de idade, entendemos que não adiantava insistir. Os ditos roqueiros não eram vistos com bons olhos pelo governo e conseqüentemente pela igreja, então resolvemos parar, fato esse registrado pela Revista Veja nº 428 de 17/11/1976 com o tema Rock proscrito: No porão, o ensaio do Êxodos: o “rock pauleira” foi a perdição. Acho que aquela ainda não era uma época apropriada para se tocar rock no meio evangélico.
Depois de “excluídos”, por que vocês não conseguiram se firmar mais em outra igreja evangélica?
Para quatro jovens batistas, familiarizados com a doutrina, era difícil aceitar outra. Durante nossas apresentações conhecemos diversas igrejas de diversas denominações. As que nos deram maior apoio foram as igrejas pentecostais, e a que aceitou por diversas vezes nosso som dentro de seus templos, sem ressalvas, foi a Igreja Brasil para Cristo. Depois de convidados a sair “excluídos”, a tristeza bateu forte, demoramos a aceitar o fato e ficamos profundamente decepcionados. Era uma época difícil, protestos e passeatas geralmente feitas por jovens contra o regime militar eram proibidas. A maioria dos jovens eram taxados de rebeldes e talvez por isso ninguém apareceu para dar uma palavra de conforto ou orientação. Não procuramos outra igreja por achar que ninguém iria querer uma banda de rock. Ficamos parados, desanimados e completamente perdidos. Esquecemos de dobrar nossos joelhos e orar. Hoje sabemos que a atitude de um servo de Deus diante das dificuldades é nunca desanimar, mas dobrar os joelhos e pedir ajuda em oração. Agir conforme diz a letra de um cântico daquela época: Quem tem Jesus gosta de cantar, está sempre sorrindo mesmo quando não dá, tropeça aqui ou cai acolá, mas depressa levanta e começa a cantar.
Depois que vocês saíram da igreja, o que aconteceu com o pastor Samuel de Andrade? Por onde ele anda hoje em dia?
Posteriormente à nossa saída da Igreja o Pastor Samuel, que nos dava total apoio, provavelmente ficou com problemas naquele lugar. Como eu não estava mais freqüentando o local, apenas sei através de alguns amigos que, poucos meses da nossa saída, ele também saiu da igreja, deixou o ministério de pastor e atualmente está como membro em uma Igreja Batista de São Paulo.
E hoje, vocês estão freqüentando alguma igreja?
Em 1984 comecei a freqüentar a Igreja Bíblica da Paz, ficando como membro até 1991. Atualmente tenho participado apenas como visitante em algumas igrejas de São Paulo. O Osvair está freqüentando a Igreja Assembléia de Deus. O Osny tem visitado diversas igrejas juntamente comigo e com o Osvair, mas ainda não se decidiu por uma delas. O Lucas mudou para Santos e não está freqüentando nenhuma igreja.
A Igreja Batista de Vila Bonilha continuou seus cultos com a “casa cheia” depois que vocês saíram?
Pelo que pudemos saber, a igreja sofreu uma significativa redução na quantidade de freqüentadores. Muitos de nossos amigos e irmãos em Cristo estão hoje em outras igrejas.
Você disse que esteve visitando recentemente a Igreja Batista de Vila Bonilha. Como foi essa visita?
Foi durante uma tarde, apenas para ver como estava o lugar. Não fui ao culto, apenas passei em frente, e acabei encontrando um irmão que era membro da igreja na época da nossa banda. Ele disse que a igreja não tem mais a quantidade de freqüentadores que havia naqueles tempos, muita coisa mudou e que todos daquela época saíram.
Quem vocês conheciam no meio evangélico, dos anos 70, que tocava rock cristão? 
Que tocava rock cristão, ninguém. E olha que viajamos por várias cidades no interior de São Paulo e até outros estados.
A canção Galhos Secos, conhecida até hoje, foi gravada pelo Som Maior e o Catedral. Tem outras canções do Êxodos que foram gravadas por outros cantores e grupos?
Gravadas não. Sempre tivemos a esperança de gravar primeiro antes de outros cantores ou grupos, mas infelizmente não foi possível. Hoje pensamos diferente; foram músicas dadas por Deus e consagradas para seu louvor. Se houver interesse de algum grupo, é só entrar em contato que iremos autorizar.
Deixem uma mensagem aos internautas do Arquivo Gospel:
Amado, você não vive pelas decisões de homens e preconceitos; você vive pelos princípios da Palavra de Deus. Permita que o Espírito Santo encha sua vida com sonhos que vêm do céu; faça aquilo que Deus colocar em seu coração mesmo que para isso tenha de romper barreiras. Ofereça o melhor para Ele, não fique preso à vontade de certas pessoas, costumes e tradições. Expulse a incredulidade e dê espaço amplo para a fé agir na sua vida. Consinta que o seu coração seja inundado com novos pensamentos e desejos de consagrar-se com mais fervor ao Senhor, mesmo diante das adversidades. Para tanto, você tem que conhecer bem a Bíblia, saber expor a doutrina, e ficar firme diante dos vendavais constantes que nos atingem. Há momentos que na vida perdemos alguma coisa e surge a tristeza. Pessoas podem causar decepção ou aborrecimento, seja por falta de vigilância ou pelos cuidados do mundo. É nessa hora que estamos à mercê do inimigo, somos enlaçados e envolvidos. É preciso pedir ajuda. Se não corrermos para o altar do Senhor, em busca de auxílio e solução imediata para o problema, seremos vencidos e escravizados pelo pecado. A indicação certa para a restauração de nossa vida está em Jesus.

Fonte: http://www.genizahvirtual.com/#ixzz1rSmzePd1


Lemmy: “Uma virgem engravida de um espírito? É estúpido!”

O baixista/vocalista Lemmy, da banda de rock´n´roll (como ele mesmo define) Motorhead concedeu uma entrevista ao site Radio Metal da França. Confira abaixo alguns trechos.

Você também diz na música [“Rock’n Rock Music”] que fará rock´n´roll até o dia em que morrer. Isso significa que você nunca se aposentará?

Lemmy: “Sim, por que eu iria querer me aposentar? O quê tem quando você se aposenta? Você não tem nada. Tudo para”.

Você também diz na música que o Rock´n´Roll é a uma verdadeira religião. Então quem seria o Jesus Cristo do rock´n´roll? Este seria você?

Lemmy: “Não, não seria eu. Provavelmente… vamos pensar. Provavelmente aquele cara do Korn (risadas). Eles tem aquele cara que enlouqueceu e que entrou para a religião [Lemmy fala da saída do Korn de Brian “Head” Welch, que alegou querer ser mais ativo na sua religião, o cristianismo]. Ele provavelmente é o Jesus Cristo do rock´nroll. Ou pelo menos ele pensa assim”.

Imagem

A propósito, vocês esse ano tocaram no festival “Hellfest” na França. Esse festival teve muito ataques de várias organizações políticas e religiosas. Ao ponto em que o organizador do festival encontrou um novo slogan para a próxima edição, que é: “nossa música, nossa religião” com uma espécie de Jesus Cristo decaído representado nos pôsteres do festival…

Lemmy: (risadas)

E isto realmente já está trazendo alguns ferozes debates. O quê pensa a respeito disso tudo?

Lemmy: “Não me importo, sabe. Religião é estúpida de qualquer maneira. Digo, uma virgem fica grávida de um espirito! (risadas). Você nunca se sairia com isto num tribunal de divórcio, não é?”

Vocês gravaram uma versão bluesera de “Ace Of Spades” para um comercial de cerveja…

Lemmy: “Sim, Kronenbourg”.

Na verdade é muito surpreendente que você o fez para uma companhia de cerveja e nunca fez para a Jack Daniels…

Lemmy: “A Jack Daniels nunca nos pediu! (risadas). Você sabe, a Kronenbourg nos pediu então dissemos ‘claro, por que não?’ Na verdade achei que era ótimo. Bem, eu fiz comerciais antes, sabe. Fiz um para a AXA seguros e fiz um para a Walkers Crisps. Fiz algumas publicidades; eles pagam muito bem.

Você sempre teve uma reputação infernal com as mulheres. Você ainda tem tanto sucesso com elas como há 35 anos?

Lemmy: “Bem mais pois muitas delas agora sabem que eu existo (risadas). Está melhor. Sim, por que não? Eu gosto de garotas, elas são muito mais divertidas do que os caras. Caras não tem peitos (risadas)”.

Fonte desta matéria (em inglês): Radio Metal

Via: Whiplash!

Meu comentário: O homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura.
“Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos , poder de Deus”. ( 1Co 1:18 )


PETER BALTES (BAIXISTA DO ACCEPT) EM BANDA CRISTÃ.

Não sei quantos sabem dessa, pois até saiu uma nota falando sobre isso em uma edição da Roadie Crew, mas o fato é que o baixista da lendária banda Accept, mantém como projeto paralelo uma banda cristã chamada 4 Inch Nails que possui um MySpace com 2 músicas “Up on a hill” e “How do you write a song”. O estilo é bem calmo, mas não sei dar uma definição exata, apenas garanto que é muito bom!

http://www.myspace.com/4inchnails

Testemunho:

http://www.youtube.com/watch?v=MfV05IIjX-A

Fonte: Metal Land.