Living The Life Without Labels

Welcome to Jesus,Vida & Rock'n Roll!

Preaching the Gospel to all the world and, when necessary, using words.

Últimas

Michael Sweet e a patrulha “fundamentalista”

O vocal leader do Stryper, Michael Sweet publicou uma foto fumando ao lado do baixista Perry Richardson em suas redes sociais e a polêmica foi semeada. De um lado, os inquisidores que chegam ao ponto de dizer que fumar é pecado; do outro, os liberais que defendem o músico alegando que ele não fez nada de pecaminoso. Qual lado está certo e errado neste debate? Eu respondo com toda a segurança: está certo quem estiver ponderando equilibrada e biblicamente sobre a atitude do irmão Sweet.

Olhando para a biografia do vocalista do Stryper, não vemos nenhuma conduta que o coloque numa posição pior ou melhor do que qualquer outro ser humano no mundo. Falando em termos culturais e temporais, o que pode-se lançar na conta do músico é, nada mais, que uma atitude inconveniente. Homens como C. S. Lewis e Charles Spurgeon fumavam e ainda declaravam que o faziam para a glória de Deus, mas eles viveram em uma época em que este assunto ainda não era visto cientificamente como um hábito prejudicial à saúde, como hoje sabemos e, talvez, não fossem adictos da nicotina e do álcool.

Há um DVD do Moritification, banda australiana de metal cristão, onde vemos Rowe e banda almoçando e sobre a mesa uma garrafa de cerveja. A Bíblia não diz que beber cerveja é pecado, mas condena a embriaguez.

Fumar ou beber é pecado? Sim, ou não, depende. Depende do que? A Bíblia nos ensina a não darmos motivo de escândalo para o próximo. Escândalo é motivo de tropeço para o irmão que, por ser fraco na fé, peca por causa da minha liberdade. Se o que eu faço em minha liberdade de consciência prejudica a fé do meu próximo, eu não estou glorificando a Deus, quando a Bíblia nos ensina a fazermos tudo para Sua glória, inclusive comer e beber. Toda minha prática pública é referência para aqueles que me seguem, por isso eu preciso ser cauteloso ao comer e beber, tendo que agir com toda moderação que o Espírito Santo produz em mim. Fumar está incluso neste princípio. Se o cristão fuma e publica isso, esse hábito, que não é saudável, embora não seja pecado em si, se torna uma ação de pecado, pois vira um referencial para aqueles que o seguem. Leia as seguintes referências: I Coríntios 8.8-13; 10.23-33; Mateus .1-5; João 7.24.

Graças a Deus, o irmão Sweet se desculpou e reconheceu seu erro em suas redes sociais logo depois do ocorrido. Segue o transcrito:

“Recentemente, publiquei uma foto de @perryrichardson777 e compartilhei um momento nosso juntos, fumando um charuto. Eu nem pensei na polêmica que isso poderia causar e, embora eu não esteja surpreso com alguns dos comentários de julgamento (venho vendo / lendo esses há anos), estou um pouco decepcionado por aqueles que esquecem que somos todos falhos, somos todos pecadores.

Eu nunca afirmei ser perfeito e nunca afirmarei. Eu tento amar a vida ao máximo e desfrutar de momentos como estes. Simplesmente pensei em compartilhar um momento agradável com todos vocês, sem perceber que isso iria gerar polêmica. Para ser sincero, não sei como consegui continuar fazendo o que faço com o peso que tenho que carregar algumas vezes. Eu percebo que é acima de tudo pela força e graça do Senhor.
Coloquei minha fé em Deus e Ele me sustenta. Ele conhece meu coração e meus motivos, e isso é bom o suficiente para mim.
Moral da história? Confie em Deus, não no homem. Os homens sempre o decepcionarão. Vou manter meus olhos no Senhor e NÃO nos comentários negativos que tenho que ler (porque eu pessoalmente gerencio minhas próprias páginas para pessoalmente manter contato com todos vocês) dia após dia.

Para todos os fariseus religiosos por aí, dê uma boa olhada no espelho e comece por aí. Você encontrará muita sujeira para limpar e não terá tempo para limpar a de ninguém.  A todas as pessoas (certamente a maioria) com corações puros, amorosos e fiéis – Que Deus continue abençoando você e tudo o mais Você fazer.
Continuarei tentando ser o mais real e honesto possível, deixando o julgamento para Deus acima. Continue ….. Amor e respeito,

M

Do meu livro:

Talvez eu deva lembrar às pessoas o parágrafo de abertura da minha autobiografia.

——-

Eu bebo. Ocasionalmente eu fumo. Se você perguntar a minha mulher, meus filhos, meus técnicos , meu agente ou meu empresário, todos dirão que eu falo mais palavrões do que deveria. Já curti com mulheres em ônibus de turismo. Fui preso por atentado ao pudor. Fui irresponsável com dinheiro a ponto de decretar falência . Minhas bandas favoritas são Beatles, Van Halen e Judas Priest. Fiquei irritado com Deus quando minha esposa morreu de câncer e eu desprezo a religião.

Eu sou cristão.” (Via: Facebook)

 

Uma defesa do Rock – Resposta para Dante Mantovani

Nomeado como novo presidente da Funarte no dia 2 de novembro de 2019, Dante Mantovani é maestro e também tem um canal no YouTube onde discute temas relacionados à cultura. Além da graduação em Música, Mantovani é especialista em Filosofia Política e Jurídica e Mestre em Linguística. Em 2013, defendeu o doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. O canal no YouTube tem poucos mais de 6,88 mil inscritos, e é a única rede social que continua no ar do novo presidente. Perfis no Instagram, Facebook e Twitter foram apagados uma semana antes de ocupar o cargo.

Além dos temas mais técnicos da música erudita, Mantovani discute aspectos da cultura relacionados à filosofia nos vídeos. Em um deles relaciona Adorno, teórico da Escola de Frankfurt, com os Beatles e reforça teorias da conspiração de que havia infiltrados comunistas na CIA, serviço de inteligência americano.

“A União Soviética levou agentes infiltrados para os Estados Unidos para realizar experimentos com certos discos realizados inclusive para crianças”, disse. “Esses agentes viam, se infiltraram e vinham mudando, inserindo certos elementos para fazer experimentação, experimentos, engenharia social com crianças. Daí passaram para músicas para adolescentes.”

A partir disso, ele começa a falar sobre o surgimento de Elvis Presley. “Na década de 50 apareceu um tal de Elvis Presley com o rock lá que fazia todo mundo sacolejar, balançar o quadril. Todo mundo ama esses caras e começam a ser introduzidos certos comportamentos. O Elvis Presley, por exemplo, morreu de overdose”, comentou. Ele também fala do festival de Woodstock, famoso símbolo da contracultura, e ao LSD. “Woodstock aquele festival da década de 60 que juntou um monte de gente, os hippies fazendo uso de drogas, LSD. Inclusive existem certos indícios que a distribuição em larga escala de drogas, LSD, foi feita pela própria CIA.”

“O rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto”, comentou.

“A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo, com o satanás para ter fama, sucesso”, continua.

O novo presidente da Funarte disse que os artistas que se apresentaram na abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016 eram “aberrações sonoras”.

“É de se chamar atenção como que um país como o Brasil que tem grandes gênios da música, como por exemplo o Heitor Villa-Lobos, apresentam em uma abertura de uma Olimpíada aquelas aberrações sonoras que eu não tenho nem coragem de chamar de música”, disse, logo depois de iniciar o vídeo tocando “Bachianas Brasileiras No. 4”.

Caetano Veloso, Gilberto Gil, Anitta, Marcelo D2, Paulinho da Viola, Jorge Ben Jor foram alguns dos artistas que participaram da cerimônia de abertura em agosto de 2016.

“Por que o brasileiro não valoriza a sua cultura? Aliás, por que ele nem conhece sua cultura? Não é uma coisa exorbitantemente assustadora? Quer se passar uma imagem que o Brasil é uma espécie de bordel. O mundo virá aqui e terá suas aventuras, suas orgias sexuais”.

“O fenômeno por trás disso é a ocultação da nossa verdadeira cultura. Isso aqui é nossa verdadeira cultura: é a música clássica, música erudita de Heitor Villa Lobos, de Carlos Gomes, de Tom Jobim na música popular.”

Mantovani é autor do livro “Ensaios sobre a Música Universal – do Canto Gregoriano a Beethoven”, lançado em 2017 e produziu o curta-metragem “Deus Acima de Todos” sobre a eleição do presidente Jair Bolsonaro no ano passado.

O maestro também criou um curso superior online de música, chamado “Seminário de Música”. Mantovani também é seguidor das ideias de Olavo de Carvalho e, inclusive, o ideólogo de direita está entre os nomes citados nos agradecimentos de sua tese de doutorado.

“Ao professor Olavo de Carvalho, cujas aulas, livros e artigos me resgataram de um mar de dúvidas que pareciam insolúveis e me propiciaram a clareza mental e a coragem necessárias para finalizar este trabalho”, escreveu.

Mantovani assume o cargo depois de Miguel Proença, que foi exonerado da presidência da instituição em novembro. Proença permaneceu nove meses no cargo, desde fevereiro. Ele assumiu no lugar do ator Stepan Nercessian. A Fundação Nacional de Artes é responsável pelo desenvolvimento de políticas públicas de fomento a artes visuais, música, circo, dança e a teatro. A instituição é subordinada à Secretaria da Cultura, atualmente vinculada ao Ministério do Turismo.

O fato é que o Mantovani falou bobagem! Eu sou prova viva, junto com milhões de roqueiros cristãos (e não cristãos também), que é possível curtir rock e heavy metal sem se envolver com drogas, promiscuidade ou mesmo ideologias satânicas. Pode até ser que a música sirva de veículo para fazer apologia às mais diversas ideologias, mas não é um tipo de música que é um mal em si mesmo. Por exemplo, eu não gosto de funk, mas esta é uma questão de gosto particular minha, e não significa que ninguém deva gostar de funk, ou que o funk só pode ser usado para fazer apologia à promiscuidade e ao crime, ou aos mais diversos vícios.

Em shows de forró, tem brigas, traições, prostituição, drogas lícitas e ilícitas, bebedeiras. Não é muito diferente dos shows de samba e pagode, ou mesmo de MPB, ou black music. Bailes funk e raves, shows de rap e reggae também não fogem à regra. Mas, por que sempre cismam em acusar o rock’n’roll e o heavy metal de ser música de promiscuidade, drogas e satanismo? Aliás, é no satanismo que mais se ouve música clássica. A humanidade sempre se corrompeu, mesmo antes do surgimento da maioria dos ritmos e estilos musicais que temos hoje. O problema não é o ritmo ou o estilo, o problema é o ser humano que, por causa da natureza pecaminosa, usa o que é bom para praticar o mal e, como fizeram Adão e Eva, jogam a culpa no outro ou nas circunstâncias que o envolvem.

*Opinião de Amauri Menezes, Metal Missionary com informações de G1.

Plumb anuncia nova música e 2 EPs de Natal

Estou muito animado hoje para revelar a primeira faixa não de um, mas dois EPs de Natal lançando este ano pela Plumb! O primeiro EP será chamado BEHOLD e a faixa-título está disponível desde 8 de novembro na Apple Music, Spotify, Amazon e em qualquer outro lugar onde a música for vendida. Confira o vídeo da letra no YouTube agora:

Clique aqui para ouvir!

Durante esta semana, será lançado uma música de  It’s Christmastime, EP #2, e você já pode encomendar um pacote especial de feriado com os dois EPs + um sabonete Plumb “SugarPLUMB” exclusivo dos amigos do Sparrow Soaps.

Clique aqui para encomenda.

E a ‘Decade The Halls Tour’ da Tenth Avenue North continua em dezembro!

10 ANOS DO BLOG “JESUS, VIDA & ROCK’N ROLL” – Top 10 de músicas internacionais preferidas do dono do blog

Na sequência, ainda em comemoração aos 10 anos do nosso blog, apresento a vocês minha lista com as 10 preferidas internacionais.

  1. Mortification – Providence
  2. Narnia – Shelter Through The Pain
  3. Dream Theater – The Spirit Carries On
  4. Antestor – Via Dolorosa
  5. Iron Maiden – Aces High
  6. Mortification – Hardware
  7. Whitecross – In The Kingdom
  8. Whiteheart – Unchain
  9. Michael W. Smith – Live The Life
  10. Petra – Love

10 ANOS DO BLOG “JESUS, VIDA & ROCK’N ROLL” – Top 10 de músicas nacionais preferidas do dono do blog

Paz extrema a todos os meus queridos leitores! Hoje é um dia especial. Há exatos 10 anos, eu inaugurava este blog, depois de ter encerrado uma conta no extinto Flogão, para compartilhar assuntos que eu curto, entre eles, teologia, religião, música, entretenimento, política e filosofia.

Neste post, eu quero compartilhar com vocês um pouco do meu gosto pessoal musical, trazendo uma lista de músicas brasileiras que eu mais curto. Espero que vocês também gostem!

  1. Catedral – O Silêncio
  2. Katsbarnea – Invasão
  3. Resgate – Doutores da Lei
  4. Angra – Make Believe
  5. Voz da Verdade – Coragem
  6. Catedral – Mais Do Que Um Sonho
  7. Oficina G3 – Rei de Salém
  8. Metal Nobre – Vou Confiar
  9. Kim – Por Amor
  10. Voz da Verdade – Além do Rio Azul

Ser verdadeiramente livre é tornar-se servo de Jesus Cristo

Pr. Olavo Feijó

Gálatas 5:13 – ¶ Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor.

O conceito popular de liberdade é “anarquia”. O que a tradição humana nos sugere é que compromisso é o mesmo que escravidão. Neste contexto, somos ensinados a reagir contra a responsabilidade e o compromisso. Repetindo a gíria popular, “ser livre é fazer o que me dá na telha…”;

O apóstolo Paulo era especialista a Lei Mosaica. Ele mesmo se classificou como “fariseu de fariseus” – isto é, antes de qualquer decisão a ser tomada, sua conduta diária consultava o preceito legal. O cidadão judeu religioso não se dava o direito de resolver seus problemas baseado apenas na sua própria cabeça.

Após encontrar-se espiritualmente com o Jesus ressuscitado, enquanto caminhava pela estrada entre Jerusalém e Damasco, Paulo assumiu livremente, ser servo de Jesus. Porque, finalmente descobriu que a postura da liberdade é a postura do amor cristão. Paulo descobriu que as leis humanas se baseiam no medo, enquanto que as “leis” divinas respeitam nosso direito de dizer não. Quando aceitamos o senhorio de Jesus Cristo, descobrimos que o amor nos liberta e que, mesmo podendo negar Jesus, somente o servir a Jesus desenvolve em nós a escolha de amar a Deus, de amar ao próximo e de amar a nós mesmos!

 

Pastor Olavo Feijó, nascido em 1930, é Bacharel em Teologia pelo Seminário do Sul, licenciado em Pedagogia pela UERJ, Mestre em Educação Cristã e Doutor em Educação, pelo Southwestern Seminary, Estados Unidos, e Pós-Doutor em Psicologia Desportiva, pela Universidade de Maryland, Estados Unidos. Professor Titular de psicologia, especialista em Percepção e Motivação. Foi pastor no Brasil e nos Estados Unidos. Consultor de relacionamentos humanos. Autor e co-autor de vários livros. Foi professor no Seminário Batista do Sul do Brasil e em universidades no Brasil, Estados Unidos, Paraguai e Chile. Casado com a psicoterapeuta Dra. Cristina Feijó.

Fonte: Amor Em Cristo

ALERTA AOS PAIS: UM INSULTO À INOCÊNCIA DE NOSSAS CRIANÇAS! A Mattel introduz ideologia de gênero na linha de bonecas da Barbie.

A fabricante de brinquedos Mattel introduziu uma linha de bonecas Barbie de “bonecas neutras em termos de gênero” para atingir crianças que não desejam que seus “brinquedos sejam ditados pelas normas de gênero”, afirmou a empresa. (Quer dizer qua agora são as crianças que mandam? O desejo da criança deve estar submetido à vontade dos pais.)

A empresa de brinquedos introduziu uma linha de 29 bonecos chamada “Mundo Criatável” (ou, formatável), que vem em diferentes kits com cabelos, roupas e outras opções de acessórios, dependendo se o kit é mais masculino ou feminino. Os bonecos têm um preço sugerido de US$ 30.

“Os brinquedos são um reflexo da cultura e, como o mundo continua comemorando o impacto positivo da inclusão, sentimos que era hora de criar uma linha de bonecas sem rótulos” (sem rótulos com base em rótulos?), disse Kim Culmone, vice-presidente sênior da Mattel Fashion Doll Design, em um declaração. “Por meio de pesquisas, ouvimos dizer (Ah! Ouviram dizer de quem mesmo?) que as crianças não querem que seus brinquedos sejam ditados pelas normas de gênero (E quem lhes ensinou isso? Em casa, com os pais é que não foi.)“.

Quando a empresa lançou as bonecas, a Mattel suavizou características tipicamente masculinas e femininas e apresentou kits endereçados com o pronome “they” (que, em inglês, pode significar tanto “eles” como “elas”) e o slogan “Uma linha de bonecas projetada para manter as etiquetas de fora e convidar todos a entrar”. (Isso se chama engenharia social.)

A Mattel disse que os bonecos estão disponíveis em grandes lojas como Target, Walmart e Amazon. (Então, já sabemos o que fazer. Denunciar essa canalhice com nossas crianças é um dever moral!)

Fonte da informação: Breitbart (https://www.breitbart.com/…/mattel-introduces-gender-neutr…/)