Living The Life Without Labels

Posts com tag “polêmica

Baixista do Stryper é demitido por ter se divorciado

Por João Renato Alves, Fonte: KNAC

Após meses de especulação, o baixista Tim Gaines confirmou não ser mais um integrante do Stryper. O músico alegou ter sido mandado embora após ter se divorciado recentemente, o que iria de acordo com os preceitos cristãos que conduzem a banda. “Ninguém se importou em entender os motivos. Foram vinte anos de um casamento ruim, com diversas consequências que não foram levadas em consideração. Curioso que todos os outros músicos do grupo estão casados com pessoas que se divorciaram. E eu sou o cara mau”, declarou Tim ao KNAC.COM.

Gaines ainda comentou os ataques pessoais que sofreu nas redes sociais por conta do ocorrido. “Por fazer parte de um grupo que fala sobre valores cristãos, você acaba sendo colocado como modelo, de uma forma que ninguém consegue ser. As pessoas que vão à igreja se vestem da mesma forma e ouvem determinado tipo de música. É uma subcultura estranha. Ao invés de se relacionar com todo mundo, se prendem a um mundo restrito, que não interage com ninguém. E quando alguém do meio passa por um problema, como no meu caso, agem como se o inferno tivesse se libertado”.

Fonte: Whiplash!

Anúncios

Escândalo na música gospel envolvendo verba pública. A Banda Resgate se recusa a participar da maracutaia.

banda resgate

Esta semana fomos presenteados com um exemplo de ética cristã e, antes de tudo, de cidadania. E para os cansados das “vergonhas”dos evangélicos, a boa notícia veio de onde menos se espera, o tal cenário musical gospel.
Bom, não tão inesperado assim para quem conhece os dinossauros do Rock da Banda Resgate, mas ainda assim, uma surpresa para a maioria.
Recentemente, a Prefeitura da cidade goiana de Anápolis, um dos municípios com maior percentual de população evangélica do país, andou pressionada (e cobrada) pela população organizada e pela mídia local por gastos no patrocínio de shows e eventos (gospel, inclusive). Em um momento em que o poder público não consegue prover com o que arrecada o mínimo nos serviços básicos de saúde, limpeza e educação, torrar centenas de milhares de reais em eventos de entretenimento não parece fazer o menor sentido.
No entanto, dois eventos “evangélicos”, organizados na cidade parecem ter conseguido o “milagre da verba pública”. O primeiro foi um encontro de jovens de uma Assembleia de Deus do ministério Madureira (Aff, quem imaginaria!) e o segundo o II Festival de Música Gospel. Juntos, os dois eventos custaram aos cofres públicos mais de 320 mil reais.
E foi justamente o II Festival de Música Gospel que produziu o verdadeiro milagre, não o dá captação da verba pública, mas o do vislumbre de quem há quem não tenha se dobrado à Baal no meio da música gospel. Sim. Há remanescentes!
A Banda Resgate ao tomar conhecimento de que o evento para o qual foram convidados seria financiado com verba pública em meio a grande celeuma da mídia local, se adiantou e cancelou a sua participação, conforme nota reproduzida a seguir. Outras personalidades convidadas, entre outras: Kleber Lucas e Disco Praise não aderiram ao protesto e devem se apresentar.
Banda Resgate cancela show em Anápolis após saber que seria paga com dinheiro da Prefeitura - Portal 6 Google Chrome, Hoje at 05.16.13

Refrigerio é o que define.

A vergonha gospel já está metida até as narinas na lama dos eventos musicais financiados com verbas públicas e à serviço da política eleitoreira. Em 2011, Ana Paula Valadão se envolveu em um escândalo na gravação de um DVD patrocinado pela prefeitura de Natal envolvendo um cachê de 250.000 reais e que foi objeto de investigação pelo Ministério Público. (confira AQUI).
Fonte: Genizah

Baby é vaiada após comentário dito “preconceituoso” em bloco LGBT

baby_show_natal-e1455219182190

Por

“Apesar das kengas, todo homem para mim é homem. O que talvez tenha faltado é uma boa mulher”. Foi com essa frase que a cantora Baby do Brasil “agradeceu” o convite para representar o bloco de travestis, drag queens e gays Desfile das Kengas, no último domingo, em Natal. O que aconteceu? Ela recebeu vaias do público e até ofensas em sua conta no Facebook.

Baby tentou se explicar via Facebook, escreveu que tem amigos e membros da família homossexuais e que o significado de seu comentário foi, na verdade que “não importa a escolha sexual, pois ela não invalida um homem ser homem ou uma mulher ser mulher”, escreveu.  “Tenho amigos gays que são tão maravilhosos que me casaria com um deles (…)”, acrescentou.

declaracao-completa

Seguidores da famosa, no entanto, não perdoaram o mal entendido e a acusaram de ser preconceituosa, de não apoiar a causa LGBT e “estar cega” pelas crenças da igreja – Baby se tornou evangélica nos anos 1990. Os mais de 200 comentários na página de Baby se misturam entre críticas, decepções e apoio à cantora:

albertino-figueired-e1455219687475

defesa-baby2-e1455219702109kelwin-willian-e1455219716458defesa-baby-e1455219731855

Fonte: Vírgula


Musical de Natal da Hillsong de Londres é criticado e comparado a balada erótica

hillsong-london-natal-e1450960593284

A filial de Londres da Hillsong Church promoveu um musical de natal no estilo dos shows de casas noturnas das primeiras décadas do século passado, imitando inclusive, as cantoras que também dançavam acompanhadas por bailarinas em trajes menores.

A iniciativa foi considerada infeliz por alguns blogueiros cristãos ao redor do mundo, que classificaram o musical como “baile erótico de Natal”.

No vídeo que vem circulando nas redes sociais, os cantores interpretam a música natalina “Silent Night”, que em português ganhou uma versão chamada “Noite Feliz”, que fala sobre a chegada do Salvador.

A Hillsong London é conhecida pelo estilo musical próprio, e mais ousado, em comparação com as outras filiais da denominação ao redor do mundo. Assista ao vídeo:

Sensual?

Para o blogueiro Mario Fumero, sim. “É triste dizer, mas se você assistir este vídeo, por favor retire seus filhos, pois o espetáculo erótico não é apropriado para menores de idade. Quem imaginaria que chegaria o dia em que as igrejas fariam coisas tão sensuais ao extremo que não podemos levar os nossos filhos a uma igreja como essa, para que não sejam contaminados com uma atmosfera de desenfreio sexual, carnal e cheio de apostasia?”, comentou, no site Unidos contra la Apostasía.

Caleb Corneloup, que mantém um canal no YouTube, criticou a igreja por desconsiderar as recomendações bíblicas sobre a vestimenta das mulheres e disparou: “As Escrituras são claras quanto a modéstia das roupas das mulheres (1 Timóteo 2:9)… a maioria das mulheres da Hillsong Church, vestem-se nos dias de hoje como as prostitutas vestiam nos dias da Bíblia. Elas acumulam maquiagem, vestem roupas eróticas e se decoram da mesma maneira das prostituas dos tempos bíblicos. Espero que a Hillsong se arrependa de seu pecado e toda a sua falsa doutrina e pratica pecaminosa”.

Fonte: Gospel+


Pastor culpa fãs de death metal por atentados em Paris

allovl7d7irfseg0nm80am4fp

O pastor Steven Anderson, da organização religiosa americana Faithful Word Baptist Church, tem sido alvo de polêmicas após culpar os fãs de death metal pelos atentados terroristas em Paris na última sexta-feira (13).

“Quando você vai a um show de death metal, mortes podem acontecer, afinal o death metal adora a morte. E aí alguém é morto e as pessoas ficam chocadas”, disse. “Se eles gostam de adorar o satã, então que os adoradores de satã entrem e atirem neles. É nisso que eles deveriam pensar antes de ir a um show de death metal”, continuou o pastor, que ficou famoso no ano passado por rezar pela morte de Barack Obama.

O religioso fez diversas referências e ataques ao Eagles of Death Metal, banda que tocava no clube Le Bataclan, onde 89 pessoas foram assassinadas durante um dos ataques. “Os terroristas são assassinos, mas ninguém deveria estar num show adorando o satã com esses drogados e gays”, disse sobre o grupo de Josh Homme e Jesse Hughes que, apesar de nome, não toca death metal.

Em nota oficial no Facebook, a banda se pronunciou pela primeira vez após os ataques nessa quarta-feira (18). Os músicos garantiram que estavam seguros e lamentaram o ocorrido em Paris, mas declararam orgulho por agora fazer parte da resistência ao terror.

Fonte: iG ON


Estátua satânica não será levantada, mas a cristã vai ser retirada

1400722097

No ano passado um templo satânico – e o vocalista do VITAL REIMAINS, Brian Werner – começaram uma campanha para colocar uma gigantesca estátua de Baphomet em frente ao Capitólio de Oklahoma, visto que o prédio já possuía uma estátua dos 10 mandamentos e, segundo eles, seria um tanto quanto incoerente representar somente uma das muitas religiões em um prédio do governo.

Mais detalhes: Baphomet: a polêmica estátua em frente ao Capitólio em Oklahoma

Na semana passada a Corte Suprema de Oklahoma decretou que, ao invés de levantarem a estátua satânica, o monumento cristão deve sair.

Uma vitória para os satanistas? Talvez!

O porta voz do templo satânico, Lucien Greaves, ou Doug Mesner, concorda com a decisão.

“Todo o ponto de nosso esforço era oferecer um monumento que fosse complementar e contrastar com os 10 mandamentos, reafirmando que vivemos em uma nação que respeita a pluralidade e se recusa a permitir que somente um ponto de vista comente o poder e a autoridade das instituições governamentais”, disse Mesner em um e-mail. “Devido a decisão da Corte, o TST [The Satanic Temple] não tem mais qualquer interesse em colocar uma estátua do Baphomet nas terras do Capitólio de Oklahoma.”

E agora? A estátua será revelada em Michigan nesse mês e, então… Ela realmente não tem mais uso. Mas, de acordo com Mesner, o Arkansas está parecendo ser o próximo alvo.

Mais cedo, nesse mês, o Arkansas aprovou um monumento dos Dez Mandamentos no capitólio do estado. A história se repetindo.

“Existem várias áreas dos Estados Unidos precisando de um balanceamento aos existentes tributos às arcaicas barbáries de Abraão”, adicionou Mesner.

Será que os satanistas não estariam planejando algo parecido no Brasil? Ia faltar pipoca para assistir à discussão dos atuais engajados e politizados usuários de Facebook. Deixe seu comentário abaixo!


Que tal boicotar todas as marcas que apoiam os direitos LGBT?

unnamed

O comercial do Dia dos Namorados elaborado pela marca de cosméticos e perfumes O Boticário se transformou na maior batalha nas redes sociais desde as eleições do ano passado.

A peça publicitária mostra diversos casais se presenteando no dia 12 de junho, entre eles um casal formado por dois homens e outro, por duas mulheres. A reação das camadas mais conservadoras da sociedade foi intensa: primeiro, tentando mobilizar as pessoas para votar em “não gostei” no vídeo no YouTube. Em seguida, teve quem defendesse o boicote à marca devido ao apoio à população LGBT.

A internet, é claro, não perdoou e logo começou a citar a incoerência do raciocínio. Assim, surgiu o Tumblr Aproveita e Boicota Também – que, como o próprio título mostra, dá a dica de todas as marcas que o pessoal precisaria boicotar pra manter a coerência.

Afinal, a inclusão de casais homossexuais em propagandas não é nada de novo. A tradicionalíssima joalheria Tiffany já fez isso no início do ano e aqui mesmo no Brasil a companhia aérea Gol incluiu dois homens em seus comercias do Dia das Mães.

Dentre as marcas citadas no Tumblr, estão algumas das mais conhecidas e poderosas empresas do mundo, como o Mc Donald’s, a Coca-Cola, a Pixar e o Facebook. Quem quiser levar adiante a ideia terá dificuldade em dizer adeus a todos os produtos dessas marcas, veja mais campanhas publicitarias pró-LGBT pelo mundo!

Em uma recente peça publicitária na Holanda, a Coca se posiciona: “Nós escolhemos a felicidade em vez da tradição”:

tumblr_npbiydoYI31uxs6u3o1_500

A página do Facebook em português da Motorola fez um post celebrando as mais diversas formas de amor:

Escolha amar quem te completa, quem te faz feliz. Escolha amar da sua maneira, pode ser de um jeito intenso ou sereno. #EscolhaOAmor e prepare-se para celebrar a diversidade das escolhas! (>^_^)>♡<(^o^<)

Posted by Motorola on Terça, 2 de junho de 2015

No exterior, a rede de cafeterias Starbucks e o sorvete Magnum, da Kibon, já fizeram comerciais com drag queens:

A gigante Unilever, que controla mais de 400 marcas como Axe, Dove, Seda, Omo e Rexona, colocou um beijo entre dois rapazes nesse anúncio de um xampu:

Fonte: POP