Living The Life Without Labels

Posts com tag “Humor

Orival Pessini, criador do Fofão e Patropi, morre aos 72 anos

pessini

Morreu na madrugada desta sexta-feira (14) em São Paulo Orival Pessini, criador do Fofão e Patropi. O ator e humorista de 72 anos tinha câncer no baço e estava internado no Hospital São Luiz, no Morumbi, na Zona Sul da capital.

Álvaro Gomes, empresário do ator, afirmou por meio do Facebook que Pessini faleceu às 4h.

“Uma pessoa que trouxe alegria a várias gerações com seu humor adulto ou para as crianças, com o Fofão”, disse.

Nascido em Marília (SP) em 1944, Pessini iniciou a carreira no teatro amador e atuando em comerciais. Estreou na TV em 1963, no infantil “Quem conta um conto”, da TV Tupi. O sucesso viria anos depois, com os personagens Sócrates e Charles, do “Planeta dos Homens” (Globo).

O Fofão foi criado em 1983, para o programa “Balão Mágico” (Globo). O alienígena atrapalhado de enormes bochechas, nascido no planeta fictício “Fofolândia”, tornou-se um dos mais populares personagens infantis dos anos 1980.

fofao

Em 1986, migrou para a Rede Bandeirantes, onde estreou um programa inteiramente dedicado ao monstrinho. O “TV Fofão” ficou no ar até 1989.

Antes do fim da atração, criou outro personagem de sucesso, o Patropi, para o programa “Praça Brasil”. Um típico hippie universitário, o personagem tornou famosos bordões como “Sei lá, entende?!” e “Sem crise, meu!”. Como Patropi, participou ainda do “A Praça É Nossa” e “Escolinha do Gugu”, ambos do SBT, “Escolinha do Professor Raimundo” (Globo) e “Escolinha do Barulho” (Record).

No “A Praça É Nossa”, também lançou o locutor Juvenal, conhecido pelo bordão “Numa velocidade…”. Entre seus personagens, está ainda Ranulpho Pereira, um aposentado reclamão que participou de “Uma Escolinha Muito Louca” (Band).

Em 2014, atuou sem máscara na série “Amores Roubados” (Globo), como o padre José. Nos últimos anos da carreira, também se apresentava com o espetáculo “Eles sou eu”, uma síntese dos quase 30 anos de trabalho, na qual revivia alguns de seus principais personagens.

O personagem Fofão foi um dos homenageados pela escola de samba Rosas de Ouro em 2014. “Fico abismado com a reação do público. Fofão fez 30 anos em 2013 e as pessoas querem fazer foto comigo. Hoje em dia participo de eventos para adultos. Pessoas que me viam quando criança”, disse Pessini ao G1 antes do desfile.

Fofão no Balão Mágico, em 1984 (Foto: Reprodução/TV Globo)

Fofão no Balão Mágico, em 1984 (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

O Macaco Sócrates, um dos primeiros personagens de Orival Pessini, criado na década de 1970 e que integrava o programa 'Planeta dos Homens' (Foto: Reprodução/TV Globo)

O Macaco Sócrates, um dos primeiros personagens de Orival Pessini, criado na década de 1970 e que integrava o programa ‘Planeta dos Homens’ (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

Fofão e crianças do programa 'Balão Mágico', entre elas a atriz Simony, na década de 1980 (Foto: Reprodução/TV Globo)

Fofão e crianças do programa ‘Balão Mágico’, entre elas a atriz Simony, na década de 1980 (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

orival-pessini_copy

Poucos artistas se tornam donos de um formato ou estilo. No Brasil, Orival Pessini se tornou único na confecção e interpretação de personagens com máscaras de borracha.

O indefinível Fofão, o hippie Patropi e o símio Sócrates do humorístico Planeta dos Homens foram seus personagens mais famosos. Apesar de ter o rosto encoberto, Pessini conseguia impressionante expressividade.

A máscara enrijecida ganhava vida, literalmente. E aquela aparência surreal exalava carisma. Tentativas de imitá-lo se mostraram simpáticas; contudo, ninguém conseguiu atingir a mesma originalidade.

Inconfundíveis, seus personagens tinham em comum o humor debochado, às vezes cínico, que era a marca da personalidade de seu criador.

Orival Pessini, assim como tantos outros artistas igualmente fenomenais, foi desprezado pela TV. Nos últimos anos fez trabalhos eventuais, aquém do espaço merecido.

Quem o viu em cena sabe que ele tinha uma produção artística variada que poderia ter sido aproveitada pelos humorísticos exibidos atualmente. Era também bom ator quando estava de ‘cara limpa’.

Uma das últimas aparições aconteceu no programa Pânico, na Band. Ele foi entrevistado para comentar o sucesso do cover de Fofão no grupo de dançarinos Carreta Furacão.

Sem perder o bom humor, o artista reclamou não ter sido consultado a respeito do uso de seu personagem mais popular – idolatrado por diferentes gerações de telespectadores – em performances divertidamente bizarras.

No fundo, ele parecia se sentir homenageado e, de certa maneira, contente em constatar que o Fofão original, mesmo fora da TV, continuava a inspirar e entreter.

E continuará, mesmo com a morte de seu criador. Fofão é eterno.

Fontes: Textos copiados do G1 e Terra.

Anúncios

Globo fará nova versão do humorístico “Os trapalhões”. Será que vai dar certo?

21150790

Seguindo o sucesso de remakes com o da Escolinha do Professor Raimundo, a Globo estuda retomar agora o humorístico Os trapalhões. Sucesso entre as décadas de 1970 e 1990, o programa mostrava as histórias do quarteto Didi, Dedé, Mussum e Zacarias.

— Achei muito boa a sugestão e só pedi para não ter substitutos porque o quarteto é insubstituível. Tem que ser com imitadores, como na Escolinha. Fiquei feliz, é uma grande homenagem. Toda ideia nova é boa, desde que bem realizada — disse Renato Aragão ao site Ego.

O projeto, com estreia prevista para 2017, está sendo capitaneado por Ricardo Waddington, que também dirige a nova Escolinha. A emissora vai escolher novos atores para os protagonistas, mas o programa deverá contar com a participação de Renato Aragão e Dedé Santana. Eles podem interpretar tios de seus personagens originais. Mussumzinho está cotado para reviver o papel que foi de seu pai, Mussum.

A ideia é produzir 12 episódios de 30 minutos cada na primeira temporada. Segundo a colunista Patricia Kogut, a Globo planeja exibir o novo Os trapalhões nos domingos na faixa das 13h.
Fonte:  Zero Hora

Google faz homenagem ao Chaves, porém em data não confirmada

O navegador Google homenageia a Vencidad CH, mas se atreve a dar um dado que não é confirmada por quaisquer meios oficiais.

Com um doodle muito criativo, o navegador do Google faz homenagem ao programa nº 1 da televisão humorística, mas há algumas observações que fazem duvidar da veracidade dos dados.

45th-anniversary-of-the-first-broadcast-of-el-chavo-del-ocho-4814649998442496.2-hp

Segundo o Google, o primeiro episódio do programa foi lançado em 20 de junho de 1971, mas de acordo com nossas conclusões baseadas neste tempo de admiração pelo trabalho de Chespirito, podemos concluir que não há dados oficiais para confirmar que o primeiro episódio do programa foi transmitido nessa data.

A confusão do Google é que há muitos anos um rumor iniciado por um tributo para Chespirito em uma revista, em que o referido meio publicou essa data como a primeiro exibição de um episódio do programa. Essa informação nunca foi apoiada por meios de comunicação oficiais.

Como conhecedores da obra de Chespirito e todas as informações que recolhemos, podemos confirmar que, hoje, há um fato que nos faz conhecer a data original da primeira aparição do personagem Chavo del Ocho na televisão.

O especialista em Chespirito contactado  no Equador, Renato Castro, partilha conosco algumas informações sobre o assunto e vale a pena publicar para incentivar um pouco de dúvida se realmente é o 20 de junho aniversário do programa. Em seguida, a informação obtida:

* Como um primeiro erro nestas informações, devemos dizer que o 20 de junho de 1971 era domingo, mas naquele ano o programa “Chespirito” foi transmitido na quinta-feira.
*
Como se sabe, ele é creditado como o primeiro esboço do Chavo, aquele em que o personagem não tinha nome, mas era simplesmente uma criança que estava caminhando por um parque, e há uma outra menina (María Antonieta de las Nieves) e um vendedor de balões (Ramón Valdés). Correlacionando-se com outras informações, pode ser que um outro personagem tem sido o pai desta criança (Ruben Aguirre). No entanto, não há muitos detalhes sobre este episódio (nem mesmo Televisa voltou a transmitir o vídeo), nem foi confirmada, pelo menos, que foi emitido no ano de 1971.
*
Se formos para o mais real, o programa “El Chavo” abre oficialmente (como esquete no programa “Chespirito”) em abril ou maio de 1972, em uma data não confirmada, mas que se situa entre 27 de Abril e 25 de maio, também uma quinta-feira.

Com estas revelações vale voltar a reformular a pergunta: é realmente o 20 de junho de 1971 a data original da primeira aparição do Chaves na TV?

Ainda assim, o Google fez uma grande homenagem para a Vencidad CH.

Traduzido de Vencidad CH

Trump e Hillary também têm laços com bandas de rock cristão

news_img_f_1459549615

O aspirante a presidente Ted Cruz há alguns dias estrelato virou estrela de meme de Internet depois que as pessoas especularam – usando imagens lado a lado – se o senador do Texas tinha alguma semelhança com um membro do Stryper. A aparente semelhança de Cruz com o vocalista Michael Sweet foi bastante estranha, e, embora o candidato não pudesse dizer que ele tinha um passado no rock cristão, os dois são pioneiros em suas respectivas áreas de atuação, somente isso.
Chamou à atenção do NewReleaseToday, através de imagens de arquivo que, apesar de suas respectivas campanhas de tentar matar a história, tanto o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Rodham Clinton passaram algum tempo na década de 1980 como membros de bandas de rock cristãs.
Trump tem uma notável semelhança com o pandeirista de curta duração do Whiteheart, o misterioso “Jack-John Dollar”, no entanto não é coincidência. Uma fonte próxima ao Trump disse ao NRT, sob condição de anonimato, que os dois são um no mesmo.
“Nos anos 80, Donald estava tentando encontrar a si mesmo”, disse a fonte. “Ele tomou aulas de pandeiro, e antes que você percebesse, ele estava tocando rock’n roll com o Whiteheart. Em última análise, ele não conseguia manter o ritmo para salvar sua vida, e ele voltou para o investimento imobiliário e desenvolvimento, apesar da música ser sua verdadeira paixão.”
Clinton, que esteve envolvida na política a maior parte de sua vida, desapareceu por seis meses em 1987, e por um tempo ela estava em um retiro espiritual no Tibete,  e uma foto inédita da sua curta participação no 2nd Chapter Of Acts veio à tona .
Quando perguntada sobre o envolvimento de Clinton, a ex membro do 2nd Chapter Of Acts Annie Herring – que aparece na foto com Clinton – disse ao NRT que ela se juntou à banda graças a alguns amigos em comum, quando eles estavam em turnê no Arkansas. Herring quebrou seu dedo grande do pé ao descer as escadas, e não poderia dar assistência durante seis meses enquanto ele se curava, por isso, “Clinton se ofereceu”, disse ela.
Em notícia relacionada, Bernie Sanders – que é judeu – não esteve em nenhuma banda de rock cristão, mas
ele mantém  o hobbie de tocar uma gaita média.

Texto traduzido (aos risos) de New Release Today.


Barnabé, o crédulo

Gregorio Vivanco Lopes  

Sempre apreciei muito o Barnabé. É fora de dúvida que ele tem qualidades. É reto, despretensioso, de trato agradável. Mas o coitado tem um defeito incorrigível, tão incorrigível que acabou por fazê-lo ficar de miolo mole.

O defeito do Barnabé é que ele acredita piamente em tudo quanto dizem os intelectuais da última moda, aos quais uma literatura pseudo-filosófica e certos cadernos da mídia concedem grande audiência. E o mais triste é que o pobre Barnabé procura seriamente aplicar na vida concreta as fantasias elucubradas por esse gênero de sonhadores utópicos que a esquerda costuma produzir a rodo.

A última enrascada em que Barnabé se meteu foi acreditar que os animais têm direitos iguais aos dos homens. Mais ainda, que os animais são iguais aos homens. Eu não sei em que leituras ele se meteu, nem que palestras ouviu, mas o certo é que ficou convencido da propalada igualdade. E, como é seu vezo, logo se aplicou em transferir para a prática a utopia mirabolante.

Pimpão

Para cúmulo dos males, ele tinha um cachorro de estimação, um fox terrier branco e engraçadinho, que atendia pelo nome de Pimpão. Não é que o pobre Barnabé concedeu estatuto de igualdade ao Pimpão!

Às refeições, lá estava a cadeira do cãozinho, que deveria sentar-se educadamente, com o guardanapo ao pescoço, tendo à sua frente o prato e os talheres. Na hora de dormir, o Pimpão tinha seu quarto e sua cama, com lençóis limpos e um cobertor de reserva para o caso de esfriar à noite. Uma pia bem baixa, com lugar para o sabonete e a escova de dentes, foi especialmente encomendada.

Tudo estava perfeito, e Barnabé contentíssimo. Mas a dificuldade surgiu: o terrier não se compenetrava de que era igual aos homens e não agia de acordo com a etiqueta. Aí começaram as agruras do Barnabé: como fazer para tornar eficaz essa igualdade com um cabeçudo como o Pimpão, que timbrava em agir como cachorro, e não como homem?

Barnabé começou então a dar tratos à bola em busca de uma saída para um problema tão inesperado. Ele era inteligente, não propriamente intuitivo, muito menos esperto, mas raciocinante.

Foi então –– em meio a essas sessões escaldantes de raciocínio apertado, em que o cérebro fervia de tanto trabalhar –– que a solução pulou de dentro da cabeça de Barnabé, como lançada por uma mola. Nem o estalo de Vieira pode-se comparar a tanta lucidez repentina:

— Eureka! Achei! Pimpão e eu somos iguais. Se ele não quer se portar como um igual em relação a mim, eu vou me portar como um igual em relação a ele.

E eis o pobre Barnabé andando de quatro, comendo no prato de ferro do terrier, forçando sua coluna vertebral para caber dentro da casinha do cachorro; e –– coitado! –– latindo quando alguém se aproximava.

     A última vez que o visitei no manicômio, os médicos me asseguraram que a situação dele é reversível, e que ele tem cura. É questão de tempo, e sobretudo de não permitir mais que ele leia qualquer literatura pseudo-filosófica ou as seções “culturais” de certa mídia.

 

(*) Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)


Morre Roberto Gómez Bolaños, o querido Chaves!

roberto-bolanos

O criador do Chavo del Ocho, mais conhecido no Brasil como Chaves, faleceu hoje, 28 de novembro de 2014 após sofrer por semanas com diversos problemas de saúde. Nascido no dia 21 de fevereiro de 1929, na Cidade do México, o ator, escritor e comediante começou a trabalhar em rádio e televisão com apenas 21 anos, a princípio como roteirista e, em seguida, como publicitário. Como roteirista, escreveu os textos de dois dos programas mais populares da televisão mexicana: “Comediantes e Canções” e “O estudo de Pedro Vargas.”

O verdadeiro sucesso, porém, chegaria na década de 1970 com o lançamento de um programa em que atuava e escrevia: “Chapolin”. Um ano mais tarde, o multitalentoso Bolaños daria vida a outro personagem: Chaves, que arrebataria multidões de espectadores com seus legendários vizinhos.

Seus personagens, pobres e inocentes, fizeram parte dos lares da América Latina, Espanha e dos Estados Unidos, onde há quatro décadas o programa continua sendo exibido sem interrupções, um feito incomparável na história da televisão mundial. Com sua partida, o mundo perde um de seus heróis mais improváveis, um tipo humilde e alegre tão querido pelas crianças que vivem em todos nós.

Fonte: History


8 frases de Chaves que poderiam ter saído da Bíblia

8-Frases-do-seriado-chaves-que-poderiam-ter-saído-da-bíblia-profetirando-humor-gospel-cristão

publicado no Profetirando

Pra comemorar os 30 anos de CHAVES, confira 8 Frases do seriado que poderiam ter sido tiradas da Bíblia.

“A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena”
-Provérbios de Seu Madruga.

“Quem come tudo e não divide nada acaba com a barriga inchada.”
-Chaves, sobre amar o próximo.

“As mulheres são assim: começam ficando com o chapéu e acabam ficando com a carteira.”
-Mais um provérbio de Seu Madruga, sobre a mulher que não edifica a casa.

“Não há nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar!”
-Provérbios de Seu Madruga

As pessoas boas devem amar seus inimigos.
-Seu Madruga, sobre Mateus 5:44.

“Eu sei que o Homem Invisível está aqui!”
“Por quê?”
“Porque não estou vendo ele!”
– Chaves, a definição de fé

“Eu vou comprar roupas pra todo mundo que precisa de roupa, como aquelas pobres senhoras que aparecem naquelas revistas que o senhor lê…”
-Chaves, bondade e amor ao próximo

“Prefiro morrer do que perder a vida”.
-Chaves, parafraseando Marcos 8:35.

Fonte: Pavablog