Living The Life Without Labels

Posts com tag “costumes

A lição de Juvenal

unnamed

Gregorio Vivanco Lopes  

O quase-nudismo que toma conta das cidades modernas vai aproximando as pessoas da prática de se despirem completamente em público, à maneira dos selvagens e dos índios primitivos.

Para as mulheres, são shorts, micro-saias, decotes escandalosos, abdômen e costas de fora, calças apertadíssimas realçando as formas do corpo, ou roupas transparentes.

Para os homens, dispensa-se até a camisa, ao mesmo tempo em que uma espécie de bermuda põe em realce a feiura das pernas.

Tudo quanto as pessoas — homens e mulheres — têm de cicatrizes, deformidades, manchas da pele, partes malconformadas do corpo, ossos salientes, rugas, vai sendo mostrado desinibidamente.

Os modos de estar ou de sentar-se em público tornam-se cada vez mais permissivos, provocantes e degradantes.

Perde-se o senso da beleza, da dignidade, da compostura, do recato, do pudor. É a civilização que afunda aos poucos na barbárie.

E para apontar bem claramente o termo rumo ao qual se caminha, as manifestações de nudismo completo vão se tornando cada vez mais frequentes. Está ficando comum as pessoas se apresentarem nuas nas ruas para protestar contra alguma coisa. Já se fizeram protestos sem roupa contra o preço da gasolina, contra o aquecimento global, por mais ciclovias, contra as touradas, contra o consumo de carne etc. Ou seja, tais reivindicações mais parecem pretexto para propagar o nudismo do que outra coisa. Certas feministas são useiras e vezeiras desse tipo imoral de propaganda.

E, para além do nudismo, caminha-se em direção ao amor livre. Simplesmente porque não é possível pessoas conviverem nuas onde quer que seja, sem que o instinto sexual, mesmo nas suas formas mais degradantes, não se veja atiçado e chegue às últimas consequências. É o que vem sendo denunciado em certas praias nudistas.

Alega-se que é por falta de vigilância. Mas se um lugar necessita ser constantemente vigiado para que nele as pessoas não se entreguem às piores imoralidades e obscenidades, então que lugar é esse? Um bordel? Um “campo de concentração” de devassos?

Voltemos ao início destas considerações. O famoso escritor latino Juvenal (séc. II), [**] em seu livro de Sátiras, escreve: “Nemo repente fuit turpissimus” (Juvenal, Satirae 2.83) — “Ninguém fica depravado de repente”. Será que o espetáculo de seminudismo que se tornou habitual nas cidades modernas não prepara as abominações que atualmente já vêm sendo denunciadas nas praias nudistas?

Fica a pergunta para o leitor responder.

(*) Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

[**] Juvenal — Falecido aproximadamente em 130 d.C., é o autor das Sátiras, em que ridiculariza os costumes da Roma pagã de sua época, contrapondo-a aos costumes severos vigentes durante a República aristocrática. Esta foi enaltecida pelo renomado escritor Cícero e pelo historiador romano Tito Lívio.

Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)


Novelas, “gênero” e uma encíclica

unnamed

Gregorio Vivanco Lopes

Um fato sintomático! Novelas televisivas vêm impondo ao público brasileiro a aceitação de um nível de moralidade baixíssimo. As situações mais degradantes do ponto de vista moral são apresentadas com “naturalidade”, como se fossem normais. As novelas vêm se apresentando como o carro-chefe da imoralidade ambiente.

Mas quando a dose de veneno é forte demais, indo além daquilo que o paciente consegue absorver, de duas uma: ou a vítima engole a peçonha e morre, ou a repudia e com isso fica mais arredia ao veneno, além de pôr a nu a indústria de perversão que o difunde.

O segundo caso foi o que se deu com a tentativa de impor ao público brasileiro os horrores moralmente deteriorantes da novela “Babilônia”, um ambiente onde o lesbianismo, a transexualidade e os traficantes proliferam. A reação do público foi forte. A audição da novela caiu vertiginosamente. Foi a novela da Globo menos assistida da história no horário.

E o diretor-geral da Rede Globo, Carlos Henrique Schroder, perguntado pela jornalista Lígia Mesquita “estão pisando em ovos após ‘Babilônia?’”, respondeu: “Conversamos muito internamente sobre isso. O País é mais conservador do que você imagina” (“Folha de S. Paulo”, 27-6 e 20-7-2015).

Essa nota conservadora, que vem se afirmando cada vez mais no panorama nacional (e não só nele!), está provocando o desespero em certas cúpulas da esquerda que imaginavam poder conduzir o País para os sucessivos abismos da corrupção moral. Alguém moralmente corrompido é uma pessoa entregue, que não tem forças para lutar contra os desmandos ideológicos ou políticos, seja do comunismo ou do socialismo em suas diversas formas e cores, seja ainda do ecologismo panteísta.

O caso da novela “Babilônia” levou a jornalista Cristina Padiglione a comentar: “Diante de tendências conservadoras e de uma polarização de comportamentos, ideologias e religiões, é de se perguntar como um canal de TV, que sempre foi bem-sucedido em agradar o gosto médio da massa, tem agido na escolha de sua programação” (“O Estado de S. Paulo”, 27-6-15).

Mas o conservadorismo em ascensão não se limita a desdenhar uma novela fortemente imoral, ele tem manifestações multiformes.

Os jovens do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira que foram à Câmara de Vereadores de São Paulo pleitear a retirada do Plano Municipal de Educação das expressões “gênero”, “teoria de gênero” e outras que tais, contaram-me que os representantes pró-família se encontravam em número bem maior e eram mais atuantes do que aqueles recrutados pelos movimentos homossexuais e feministas. Os vereadores tiveram o bom senso de retirar as indigitadas expressões.

Isso não se deu apenas em São Paulo. Pelo Brasil afora, pressões do eleitorado conservador levaram numerosas Câmaras Municipais a rejeitar as ingerências do Ministério da Educação no sentido de obrigar as escolas a ensinar tais teorias abstrusas. O plano maquiavélico do Ministério consistia em fazer aprovar seu nefando desiderato pelas Câmaras Municipais, depois de ter sido ele derrotado na Câmara dos Deputados, em Brasília. Mas o conservadorismo foi mais forte, ao menos em grande número de importantes municípios.

Não vamos analisar aqui as manifestações de conservadorismo no intrincado campo político, pois isso nos levaria muito longe; e ademais, tais manifestações são de conhecimento geral. O PT que o diga.

Lembramos apenas os insucessos de diversos governos que, propelidos por bispos e padres da esquerda católica, tentaram impor ao Brasil uma Reforma Agrária radical que o levasse rapidamente às portas do comunismo.

Por fim, uma palavra sobre as resistências conservadoras ao ecologismo alarmista e sem base científica. Muito contestado e à míngua de provas para suas afirmações mirabolantes, ele procura utilizar para seus objetivos a recente e perplexitante encíclica do Papa Francisco, tendente a um ecologismo radical. Sem muito resultado, diga-se de passagem.

(*) Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)


10 frases que as mulheres tatuadas ouvem

tattoo

Por Camila Tavares

Para quem gosta, tatuagem é uma paixão. Embeleza, traz estilo, nos posiciona, aumenta a autoestima e muitas outras vantagens que apenas cada tatuado vai saber falar. Mas mesmo sendo uma decisão íntima e personalíssima, sempre tem quem queira meter o bedelho. É por isso que a gente listou 10 frases que as mulheres tatuadas ouvem e que, com carinho e paciência (ou um sorriso amarelo), respondem.

1. E quando você envelhecer?

Olha gente, quando eu envelhecer, a tatuagem flácida vai ser o de menos. Tem muitas outras partes do corpo que estarão flácidas para eu me preocupar.

2. E se você se arrepender?

Boas e más escolhas fazem parte da vida. Pior do que um desenho feio ou que deixe de ter significado é ter memórias das quais você não se orgulha. Mas também é possível remover com tratamentos longos, doloridos e caros para casos bem extremos.

3. Isso é para sempre!

Alguém me conta como, porque nem a vida é para sempre. Quando você gosta de uma coisa, quer mesmo que ela te acompanhe.

6b9bf346bde0a80cc95f430034f3462f-498x499

4. Todo mundo tem igual!

Isso depende. E mesmo que seja verdade, todo mundo usa jeans igual, camiseta branca… e daí? Algumas coisas nos diferenciam e outras nos identificam com grupos. Não há problema nisso, certo?

5. É coisa de homem, prostituta, presidiário, marinheiro…

Tatuagem é coisa de homo sapiens. Desde os homens nas cavernas a tribos primitivas em todos os continentes, pintar a pele é arte, status e comunicação. Os marinheiros encontraram nativos da Polinésia que usavam tatuagens e trouxeram a cultura para o ocidente. Simples assim entender a história.

5954a671e4e748f93225c957dc50dc50-332x499

6. Não combina com roupa estampada/festa.

Esse comentário é bem irrelevante mesmo. A tatuagem enfeita o corpo e combina com tudo o que é bonito.

7. E para procurar emprego?

Depende do seu tipo de trabalho. Há casos em que você precisa ser discreto mesmo e as roupas ajudam nisso. Há outros casos em que posicionamento e profissionalismo resolvem a questão. E outra, né, ninguém precisa esfregar a tatuagem na cara do entrevistador. Dizem que a tatuagem é proibida em concursos públicos. Neste caso, basta decidir o que quer da vida e seguir feliz.

8. E quando você for mãe?

Simplesmente serei uma mãe mais enfeitada. De verdade, se eu não compartilho do preconceito, não vou ensinar meus filhos a pensarem assim.

c40a064a63539b89a390eb69905cd87f

9. E se você enjoar?

Nunca vi alguém enjoar de algo que faça parte do próprio corpo. Alguém já enjoou das próprias mãos?

 10. É de verdade?

Ué, claro que sim. Não sou de usar tatuagem de chiclete!

tatuagem

Fonte: Revista Donna


Um crente em Deus pode comer churros?

churros+crente

Mais uma da série “Dúvidas atrozes da gospelândia”

churros

Tá rindo? Já vi coisa pior levada à serio. Com “tá amarrado” no fim da frase e tudo o mais…


Vi no Fb do André Neves

 


Pastor afirma que cristãos não devem fazer tatuagem por ser “uma prática pagã”

Justin Bieber tattoos

Por Tiago Chagas

 

Há muito tempo o tema tatuagem gera discussões no meio evangélico, com argumentos favoráveis e contra de todas as partes. Por muito tempo, foi consenso no meio pentecostal que “marcar a pele” era pecado, enquanto que algumas denominações neopentecostais definiam a questão como de “foro íntimo” de cada fiel.

Ainda sem um consenso entre as diferentes linhas de interpretação da Bíblia sobre o assunto, o pastor Pat Robertson definiu que o adorno é “inadequado para cristãos por ser uma prática pagã”. A afirmação foi feita durante seu programa The 700 Club na unidade norte-americana da emissora de TV Christian Broadcasting Network (CBN).

Um telespectador entrou em contato para dizer que “estava pensando em fazer uma tatuagem de Jesus” nas costas e pediu a opinião do veterano e polêmico pastor. Robertson não titubeou ao dizer que não aprovava a ideia.

“Você olha para a Bíblia, e está escrito para o povo não marcar o corpo e se cortar como pagãos fizeram. Tatuagem é uma prática pagã, e não cristã”, cravou Pat Robertson, citando Levítico 19:28: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor”.

Controvérsia

Muitas denominações já aceitam que os fiéis se tatuem, e há inclusive os que se posicionam dizendo que o papel das denominações é abrigar os cristãos, respeitando as experiências de fé de cada um. “A Igreja somos nós”, diz o pastor Steve Bentley, que montou um estúdio de tatuagens na sede da igreja que lidera.

Já o pastor Chris Seay, da Ecclesia Church, em Houston, Texas, rebate o argumento de Robertson dizendo que a passagem de Levítico tem como objetivo disciplinar o povo contra a idolatria, e não contra os adornos em forma de tatuagem: “O problema não era com as tatuagens, mas com o fato de que fazer uma tatuagem ou cortar o cabelo ou barba era um símbolo que na época era identificado como adoração a deuses pagãos”, argumentou, de acordo com informações do Christian Post.

Fonte: Gospel+


Espelho Embaçado

espelho2

Pr. Olavo Feijó

1 Coríntios 13:12 – Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

A maioria das desavenças entre cristãos tem início em nossas limitações. Geralmente, o pouquinho de conhecimento que temos de Deus parece-nos como um conhecimento total. Paulo, por causa disto, nos alerta: “O que agora vemos é como uma imagem imperfeita, num espelho embaçado; mas, veremos face a face” (I Coríntios 13:12).

Há cristãos que passam a noite toda de joelhos, orando. De madrugada, sentem uma profunda experiência espiritual e crescem espiritualmente. Até aí, tudo bem. O problema é quando decidem generalizar sua experiência individual, insistindo com seus irmãos na fé que, para serem abençoados devem, como ela/ele fez, passar horas orando de joelhos.

A teologia bíblica ignora a doutrina da exclusividade dos joelhos dobrados. “Sem oração de joelhos, esquece a bênção”, dizem os cristãos que de joelhos experimentavam experiências espirituais. Tais irmãos, muito honestos na experiência que tiveram ignoram, sem nenhuma intenção negativa, que há irmãos que sofrem de artrose nos joelhos. E daí? Eles serão punidos por não “se humilharem, de joelhos”? O conselho de Paulo nunca deve ser ignorado: por mais profunda que seja nossa abençoada experiência, ela não deixa de ser “uma imagem imperfeita, num espelho embaçado”. Graças a Deus, o Senhor não permite que nós blindemos Sua soberania.

Fonte: Amor em Cristo


Aprender a Conviver com Gostos e Costumes Diferentes dos Nossos

ser-petencostal

A questão apresentada no 14º capitulo de Romanos quanto ao ato de não comer ou beber aquilo com que possa se escandalizar nosso irmão é diferente em ordem da que foi apresentada nas epístolas dirigidas aos Coríntios, porque o problema nesta igreja dizia respeito a se comer carne sacrificada a ídolos.
Aqui neste décimo quarto capítulo, o problema era de outra natureza, diferente do citado em I Coríntios, porque estava relacionado ao fato das distinções cerimoniais da Lei de Moisés sobre alimentos puros e imundos, e também sobre as libações e comidas que acompanhavam os sacrifícios apresentados no templo de Jerusalém, e não propriamente a prática de idolatria como estava ocorrendo em Corinto.
Uma coisa é a predileção por gostos ou práticas particulares ou de grupos, diferentes dos nossos, e que devemos suportar em amor para não quebrar a unidade do corpo de Cristo, conquanto tais gostos e práticas não ofendam a norma bíblica, não se tratando de heresia, idolatria ou má conduta, e outra muito diferente quanto o que se encontra em questão é a conivência com qualquer forma de mal.
Paulo demonstra que ninguém seria recomendado ao reino de Deus pelo ritualismo cerimonial de distinções de alimentos impostas no regime da lei no Velho Testamento, e nem se deveria por outro lado, se atacar aos judeus que ainda guardavam tais costumes.
Por isso, é dito que aquele que come não julgue o que não come, e o que não come também não julgue o que come, porque afinal não é nisto que consiste o reino de Deus, mas em justiça, paz e alegria no Espírito Santo, como se vê no verso 17 de Rom 14.
Além disso, os judeus estavam acostumados a guardarem dias festivos conforme determinados pela lei, e que agora em Cristo já não eram mais exigidos por Deus.
Então, quando um cristão judeu afirmava a importância de se guardar tais dias para se agradar a Deus a um gentio, ele estava errando, do mesmo modo que estaria errando os gentios que os condenassem por estarem ainda guardando aqueles cerimoniais da lei, aos quais estavam apegados por dever de consciência e tradição, como se vê nos versos 5 e 6.
Foi somente em relação a esta questão de comer ou não certos alimentos, e de se guardar dias sagrados assim considerados pela lei, que Paulo disse que cada um deveria ter uma opinião bem definida em sua mente.
Ele restringiu o fato de cada cristão estar inteiramente seguro em sua própria mente, apenas a esta questão cerimonial de alimentos e dias sagrados segundo os judeus; para que ninguém tentasse impor aos outros o seu próprio ponto de vista.
Por isso, o apóstolo disse que em Cristo já não havia mais nenhuma distinção entre alimentos puros e imundos. Na verdade Ele não tem considerado mais nenhum alimento imundo, mas se alguém quisesse continuar assim considerando que o considerasse, mas que o fizesse para si mesmo, sem condenar ou rejeitar os demais de pensamento diferente.
Deste modo, ao dizer no verso 14 que estava bem certo no Senhor Jesus que não há mais nenhuma coisa de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda, ele não estava de modo algum dizendo que tudo o que existe no mundo é puro; porque estava restringindo o uso desta expressão apenas aos alimentos que comemos.
Paulo aproveitou para estender a questão sobre a comida e bebida, para além do cerimonialismo e aplicou-a ao fato de se comer e beber de maneira escandalosa, que sirva como pedra de tropeço para alguns irmãos (v. 20 a 23).
Assim, em vez de estarem preocupados em julgarem seus irmãos quanto a estas coisas não essenciais, eles pecavam contra o Senhor, esquecidos que, cada um dará conta de si mesmo a Deus, no Tribunal de Cristo.
Evidentemente, podemos e devemos transferir tudo isto para a nossa forma de nos relacionar com irmãos que pertençam a congregações cuja prática cultual seja diferente da nossa, quanto ao gosto musical, ordem de culto, forma de ministração da Palavra de Deus, etc, uma vez que não somos autorizados pelas Escrituras a evitar ter comunhão com eles por conta de nossos gostos serem diferentes.
Nossos modos e costumes não são um padrão de verdade nem para nós mesmos, porque estão sujeitos a serem alterados com o tempo. Faríamos bem, portanto, em aprendermos simplicidade, humildade, amor, renúncia, por amor aos irmãos e ao Senhor, negando-nos a nós mesmos quanto aos nossos gostos em prol de não sermos uma causa de tropeço ou de tristeza para os nossos irmãos.
Caso alguém não consiga fazê-lo, que se guarde então de criticar aqueles que Deus não tem rejeitado por conta de seus costumes diferentes dos nossos.

“As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores.”
Avatar de Silvio Dutra

Por

Fonte: Gospel+