Living The Life Without Labels

Posts com tag “pornografia

Por que a pornografia mata o sexo

por-que-a-pornografia-mata-o-sexo

A matéria de capa da revista TIME desta semana fala sobre uma nova iniciativa contra a pornografia na internet. Esses ativistas antipornografia, no entanto, não são os moralistas caricatos que mordem os lábios de raiva quando falam desse assunto. Ao contrário, são jovens que afirmam que a pornografia compromete o desempenho sexual na vida deles.

A capa chamou a minha atenção porque tenho visto uma situação similar apresentar-se muitas vezes com casais que procuram aconselhamento pastoral comigo. Em uma versão típica de tal cenário, um jovem casal busca ajuda porque pararam de ter relação sexual. Neste cenário típico, o marido é alguém que não consegue manter o interesse no sexo. Quando se faz as perguntas certas, descobre-se que ele está profundamente mergulhado na pornografia desde a adolescência. Não é que ele não possa, nessas situações, alcançar a mecânica do sexo para executá-lo. É que ele constata que a intimidade com uma mulher da vida real deve ser, na palavra que emerge repetidamente, “estranha”. Muitos desses homens só conseguem fazer sexo com suas esposas repetindo as cenas de pornografia em suas mentes enquanto o fazem.

O que está acontecendo aqui, então? Por que parece que a pornografia, em última instância, mata a intimidade sexual? Há muitas explicações psicológicas, para ser exato. A pornografia dessensibiliza a pessoa para o estímulo sexual, alimenta a busca por inovações intermináveis e cria um roteiro de expectativas que não atendem – e não podem atender – à dinâmica real do relacionamento pessoal. Mas penso que há algo mais acontecendo aqui.

A fim de entender o poder da pornografia, precisamos perguntar por que Jesus nos advertiu que a luxúria é errado. Não é porque o sexo é um assunto embaraçoso para Deus (vide Cantares de Salomão). Deus concebeu a sexualidade humana não para isolar, e sim para ligar. A sexualidade foi feita para unir esposa e marido e, satisfeitas as condições, resultar em novidade de vida, conectando, assim, gerações. A pornografia rompe essa conexão, convertendo o que foi feito para o amor íntimo e encarnacional em solidão masturbatória. A pornografia oferece uma emoção psíquica e uma liberação biológica tencionada para a comunhão no contexto da liberdade a partir da conexão com o outro. Ela não pode manter essa promessa.

Quando a pornografia adentra no casamento, o resultado é vergonha. Não estou me referindo ao sentimento de vergonha (embora isso possa fazer parte dela). Refiro-me a algo que está, no nível mais íntimo, oculto. Há algo dentro de nós que sabe que a sexualidade é para outra coisa que não a manipulação de imagens e partes do corpo.

A pornografia mata a sexualidade porque ela não é apenas sobre sexo e porque o próprio sexo não é apenas sobre sexo.

Na antiga cidade de Corinto, o aviso foi dado acerca das prostitutas nos templos pagãos da cidade. Elas eram pagas para a atividade sexual sem compromisso; eram parte de um sistema cúltico que atribuía quase todos os poderes místicos ao orgasmo. Em quê isso difere da indústria pornográfica de hoje? O apóstolo Paulo advertiu que as implicações de cometer imoralidade com essas prostitutas não eram apenas uma questão de consequências relacionais ruins ou um mau testemunho de Cristo mundo afora (embora estas questões também fossem verdade). Quem se juntava a uma prostituta participava de uma realidade espiritual intangível, ao unir Cristo à prostituta, ao tornar-se um com ela (1Co 6.15-19). Uma vez que o corpo é o templo do Espírito Santo, a imoralidade sexual não é apenas uma “safadeza” – é um ato de profanação do templo, de trazer um culto profano para dentro de um lugar santo do santuário (1Co 6.19).

A pornografia não é apenas imoralidade – é ocultismo.

É por isso que a pornografia possui uma atração tão forte. Ela não é uma questão meramente biológica (embora isso seja importante). Se existem, como a Bíblia ensina, espíritos maus vivos no cosmos, então a tentação envolve mais coisas do que simplesmente estar no lugar errado na hora errada. O cristão professo, não importa quão insignificante ele ou ela se sinta, é um alvo de interesse. A imoralidade sexual parece apresentar-se aleatoriamente quando, de fato, como com o jovem de Provérbios, é parte de uma expedição de caça cuidadosamente orquestrada (Pv 7.22-23).

A vergonha que surge na consciência como resultado de um episódio pornográfico – ainda mais uma vida inteira de tais práticas – só pode levar à quebra da intimidade na união em uma só carne do casamento. Desde o início da história humana, a vergonha perante Deus conduz à vergonha de um para com o outro (Gn 3.7-12). A nudez (intimidade), concebida para parecer natural, agora parece dolorosa e vulnerável – ou, como muitos homens têm colocado, “estranha”.

Se isso descreve você, dificilmente você está sozinho. O casamento é sempre difícil, sempre uma questão de guerra espiritual (1Co 7.5). A fim de lutar, a pessoa deve, primeiro, tratar a vergonha – o que significa arrepender-se do desejo de manter tudo escondido. Procure um presbítero confiável em sua igreja, e busque ajuda.

Os jovens que procuram insurgir-se contra a pornografia com a qual cresceram devem ser elogiados. Mas a pornografia é uma isca poderosa demais para ser combatida apenas pela força de vontade ou pelos movimentos sociais por si sós. Precisamos levar as cargas um do outro, por meio do vigor do Espírito Santo dentro do novo templo da igreja. Isso começa com ser honesto acerca do que a pornografia é – e o que ela faz.

Por: Russell Moore. © 2016 Copyright • Ethics and Religious Liberty Commission of the Southern Baptist Convention. Original: Why Porn Kills Sex.
Tradução:Leonardo Galdino. Revisão: Vinicius Musselman. © 2016 Voltemos ao Evangelho. Todos os direitos reservados. Website: voltemosaoevangelho.com.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.
Russell Moore serve como o oitavo presidente da Ethics & Religious Liberty Commission, da Convenção Batista do Sul. Um comentarista cultural amplamente procurado, Dr. Moore tem sido reconhecido por uma série de organizações influentes. O Wall Street Journal chamou-o “vigoroso, alegre, e ferozmente articulado”, enquanto o The Gospel Coalition referiu-se a ele “um dos moralistas mais astutos no evangelicalismo contemporâneo”. Um especialista em ética e teólogo, Dr. Moore é também ministro ordenado da Southern Baptist e autor de vários livros. Nascido no Mississipi, ele e sua esposa Maria são os pais de cinco filhos.

Fonte: Voltemos ao Evangelho.

Anúncios

A carta de uma psiquiatra sobre “Cinquenta Tons de Cinza” e 11 sinais de que você pode estar namorando um sociopata

unnamed

1
A carta de uma psiquiatra sobre ´´Cinquenta Tons de Cinza´´  
Por Miriam Grossman

Não há nada de cinza sobre os 50 tons de cinza. É tudo preto.
Deixe-me explicar.
Eu ajudo pessoas que estão quebradas por dentro. Ao contrário dos médicos que utilizam raios X ou exames de sangue para determinar porque alguém está com dor, as feridas que me interessam estão ocultas.
Faço perguntas, e ouço atentamente as respostas.
É assim que eu descubro porque a pessoa na minha frente está “sangrando”.
Anos de escuta atenta me ensinaram muito.
Uma coisa que eu aprendi é que: os jovens são totalmente confusos sobre o amor – para achá-lo, e mantê-lo. Eles fazem escolhas erradas e acabam sofrendo muito.
Eu não quero que você sofra como as pessoas que vejo em meu escritório, por isso estou avisando sobre um novo filme chamado “Cinquenta Tons de Cinza”. Mesmo se você não ver o filme, sua mensagem tóxica está se infiltrando na nossa cultura, e poderia plantar idéias perigosas em sua cabeça.
“Cinquenta Tons de Cinza” está sendo lançado no Dia dos Namorados, então você vai pensar que é um romance… mas não caia nessa.
O filme é realmente sobre uma relação doentia e perigosa, preenchido com abuso físico e emocional. Parece “glamouroso”, porque os atores são lindos, têm carros caros, e aviões (e Beyonce está cantando). Você pode concluir que Christian e Ana (os personagens do filme) são legais, e que o relacionamento deles é aceitável.
Mas não se permita ser manipulado! As pessoas por trás do filme só querem o seu dinheiro; eles não se preocupam nem um pouco com você ou seus sonhos.
Abuso não é glamouroso ou legal. Nunca é Ok, sob quaisquer circunstâncias.
Isto é o que você precisa saber sobre “Cinquenta Tons de Cinza”:
Christian Grey (personagem central do filme) foi terrivelmente negligenciado quando era uma criança. Ele está confuso sobre o amor, porque ele nunca experimentou a coisa real. Em sua mente, o amor está emaranhado com sentimentos ruins, como dor e com o constrangimento. Christian gosta de machucar mulheres de formas bizarras. Anastasia (a outra personagem) é uma menina imatura que se apaixona pelos olhares e pela riqueza de Christian, e segue totalmente os seus desejos.
No mundo real essa história acabaria mal, com Christian na cadeia e Ana em um abrigo – ou no necrotério… Ou Christian continuaria batendo em Ana, e ela sofreria como nunca.
De qualquer maneira, as suas vidas não seriam um conto de fadas. Acredite em mim. Como médica, estou lhe pedindo: não assista “Cinquenta Tons de Cinza”. Se informe, conheça os fatos e explique aos seus amigos por que eles não devem assistir também.
Aqui estão algumas das ideias perigosas (mentiras que serão inseridas em sua mente inconsciente) promovidas em “Cinquenta Tons de Cinza”:

  • A mentira -> As meninas querem caras como Christian: Grosseiro e que mande nela.
    A verdade -> Não! Uma mulher psicologicamente saudável evita dor. Ela quer se sentir segura, respeitada e cuidada por um homem que ela pode confiar. Ela sonha com vestidos de casamento, não algemas.
  • A mentira -> Homens querem uma garota como Anastasia: Calma e insegura.
    A verdade -> Um homem psicologicamente saudável quer uma mulher que sabe se defender por si mesma. Ele quer uma mulher que o corrija quando ele sair da linha.
  • A mentira -> Anastasia exerce livre escolha quando ela consente em ser machucada, então ninguém pode julgar a sua decisão.
    A verdade -> Lógica falha. Claro, Anastasia tinha livre escolha – e ela escolheu mal. A decisão auto-destrutiva é uma má decisão.
  • A mentira -> Anastasia faz escolhas sobre Christian de forma racional e distante.
    A verdade – > Christian constantemente serve Anastasia com álcool, prejudicando seu julgamento. Além disso, Anastasia se torna sexualmente ativa com Christian – sua primeira experiência – logo após conhecê-lo. Finalmente, Christian manipula Anastasia para assinar um acordo que a proíbe de falar a alguém que ele é um abusador. Álcool, sexo e manipulação – dificilmente seriam os ingredientes de uma decisão racional.
  • A mentira -> Os problemas emocionais de Christian são curados pelo amor de Anastasia.
    A verdade -> Apenas em um filme. No mundo real, Christian não mudaria de forma significativa.
    Se Anastasia quisesse ajudar pessoas emocionalmente perturbadas, ela deveria ter se tornado uma psiquiatra ou uma psicóloga.

A principal questão é que as idéias de “Cinquenta Tons de Cinza” são perigosas e podem levar à confusão e más decisões sobre o amor.
Existem grandes diferenças entre os relacionamentos saudáveis e não-saudáveis, mas o filme borra essas diferenças, de modo que você começa a se perguntar: “o que é saudável em um relacionamento? O que é doentio? Há tantos tons de cinza … Eu não tenho certeza…”
Ouça, é da sua segurança e do seu futuro que estamos falando aqui. Não há margem para dúvidas: uma relação íntima que inclui violência, consensual ou não, é completamente inaceitável.
É preto e branco. Não existem tons de cinza aqui. Nem mesmo um.

Fonte: Megmeekermd traduzido e adaptado por Psiconlinews – See more at: http://www.psiconlinews.com/2015/02/a-carta-de-uma-psiquiatra-sobre.html#sthash.2P9rCaFY.dpuf

2
11 sinais de que você pode estar namorando um sociopata:

Será que aquela pessoa incrível que você ou alguém próximo a você começou a namorar pode na realidade ser um sociopata? Essa situação não é tão improvável quanto você imagina. Aproximadamente um em cada 25 americanos é sociopata, segundo a psicóloga de Harvard, a Dra. Martha Stout, autora do livro The Sociopath Next Door (O Sociopata Que Mora Ao Lado). Obviamente, nem todos os sociopatas são criminosos perigosos. Mas com certeza podem dificultar bastante a vida, dado que uma das características da sociopatia é o comportamento anti-social.

Veja a seguir 11 SINAIS DE ALERTA de que uma pessoa pode ser sociopata:

– SINAL DE ALERTA No. 1- Ter um ego exagerado.
O Manual de Diagnóstico e Estatísticas das Doenças Mentais (DSM-V) destaca que os sociopatas tem uma percepção exagerada de si mesmos. São narcisistas ao extremo, com um enorme sentimento de merecimento, escreveu o Dr. Seth Meyers, psicólogo clínico do Departamento de Saúde Mental do Município de Los Angeles, no site Psychology Today. Eles tendem a culpar os outros pelas próprias falhas.

– SINAL DE ALERTA No. 2 – Mentir e exibir um comportamento manipulativo.
Os sociopatas costumam enganar e manipular com frequência. Por quê? “Mentem por mentir. Mentem só para ver se conseguem enganar as pessoas. E às vezes contam mentiras maiores que terão efeitos maiores”, disse o Dr. Stout à Interview Magazine.

– SINAL DE ALERTA No. 3 – Demonstram uma falta de empatia.
“Essas pessoas não tem um mundo interior emocional significativo como a maioria das pessoas têm e talvez por causa disso não conseguem de fato imaginar ou ter a dimensão do mundo emocional das outras pessoas”, segundo relato de M. E. Thomas, diagnosticado como sociopata e autor do livro Confessions Of A Sociopath (Confissões De Um Sociopata), à radio NPR. “É algo que eles desconhecem por completo.”

– SINAL DE ALERTA No. 4 – Não sentem remorso ou vergonha.
O Manual DSM-V explica que o transtorno de personalidade anti-social indica que os sociopatas não sentem remorso, culpa ou vergonha.

– SINAL DE ALERTA No. 5 – Mantêm uma tranquilidade assustadora em situações de medo ou perigo.
Um sociopata talvez não demonstre ansiedade após um acidente de carro, por exemplo, disse M.E. Thomas. E pesquisas mostraram que enquanto pessoas normais demonstram medo quando vêem imagens perturbadoras ou são ameaçadas com choques elétricos, mas em geral os sociopatas não sentem isso.

– SINAL DE ALERTA No. 6 – Comportamento irresponsável ou extremamente impulsivo.
Sociopatas mudam rapidamente de objetivo para objetivo e agem no calor do momento, segundo o Manual DSM. Eles podem ser irresponsáveis com as finanças e obrigações.

SINAL DE ALERTA No. 7 – Têm poucos amigos.
Os sociopatas tendem a não ter amigos – pelo menos não amigos verdadeiros. “Os sociopatas não querem amigos, a não ser que precisem deles. Ou então todos os amigos têm apenas uma conexão superficial com eles, são amigos por associação”, afirmou o psicoterapeuta Ross Rosenberg, autor do livro The Human Magnet Syndrome (A Síndrome Do Imã Humano), ao The Huffington Post.

– SINAL DE ALERTA No. 8 – São encantadores – mas apenas superficialmente.
Os sociopatas podem ser muito carismáticos e simpáticos – pois sabem que vai ajudá-los a conseguir o que querem. “Eles são exímios vigaristas e sempre têm segundas intenções”, explicou Rosenberg. “As pessoas ficam tão surpresas quando descobrem que alguém é um sociopata porque conseguem encaixar-se muito bem no ambiente. São mestres na arte do disfarce. A principal ferramenta que usam para impedir que sejam descobertos é a criação de uma personalidade superficial”.
Como M.E. Thomas descreveu em um post para o site Psychology Today: “Se me conhecesse, gostaria de mim. Eu tenho o tipo de sorriso que é comum vermos em personagens de programas de TV e que são raros na vida real, com dentes perfeitos e brilhantes, capaz de expressar um sentimento agradável”.

– SINAL DE ALERTA No. 9 – Viver segundo o “princípio do prazer”.
“Se a coisa é prazerosa e eles conseguem evitar as consequências, eles o farão! Eles vivem a vida de forma acelerada – sempre de maneira extrema – buscando estímulos, excitação e prazer de qualquer maneira que conseguirem”, escreveu Rosenberg em Human Magnet Syndrome.

– SINAL DE ALERTA No. 10 – Demonstrar desrespeito pelas normas da sociedade.
Eles desrespeitam as regras e leis porque não acreditam que as regras da sociedade se aplicam a eles, escreveu o psiquiatra Dr. Dale Archer em um blog do Psychology Today.

SINAL DE ALERTA No. 11 – Ter um olhar “intenso”.
Os sociopatas não têm problema nenhuma em manter o contato olho no olho sem interrupção. “A incapacidade de desviar o olhar de maneira educada também é considerada como sendo agressiva ou sedutora”, M.E. Thomas escreveu para o site Psychology Today.

Fonte: Brasil Post – See more at: http://www.psiconlinews.com/2015/02/11-sinais-de-que-voce-pode-estar.html#sthash.BxC3HZf2.dpuf


Governo japonês aprova proibição da posse de pornografia infantil

Por The New York Times

Estande de mangás na Tokyo International Anime Fair - YURIKO NAKAO / REUTERS

Estande de mangás na Tokyo International Anime Fair – YURIKO NAKAO / REUTERS

 

Após anos de pressão para se alinhar a outros países desenvolvidos, o parlamento japonês aprovou o banimento da pornografia infantil nesta quarta-feira. As exceções foram para as multimilionárias indústrias de mangás e animês, que muitas vezes apresentam conteúdo pornográfico explícito.

Os legisladores do partido do governo e da oposição aprovaram a proposta com larga margem de votos. A medida reforça uma lei de 1999 que proibia a produção e a distribuição de pornografia infantil, mas não a posse de material do gênero. A nova lei, que valerá a partir do próximo mês, dará um ano para que os violadores se disfaçam de suas imagens pornográficas.

Contudo, a medida não proibe imagens de sexo envolvendo crianças encontradas nos mangás e nos animês.

Mesmo assim, a aprovação da lei foi sentida como uma vitória para os políticos conservadores, que lamentavam o fato de o Japão ser o único membro das nações desenvolvidas que ainda permitia a posse de pornografia infantil.

A pressão da opinião publica também era grande, já que a polícia japonesa culpava a legalidade da pornografia infantil pelo crescimento de casos criminais envolvendo sua produção e circulação. No último ano, foram registrados 1.644 ocorrências de crimes deste tipo, informou a Agência Nacional de Polícia do país.

Frustrada com a política permissiva do governo central, Tóquio proibiu a venda de material que sugeria sexo infantil há três anos. Shintaro Ishihara, então prefeito da cidade, disse que a não proibição enconrajava a pedofilia.

Mas os esforços para banir completamente a pornografia infantil esbarraram na força da indústria editorial japonesa, onde a popularidade do mangá é um dos pontos fortes de vendas, não sofrendo tanto com a concorrência da internet e dos e-books.

Não é difícil encontrar mangás com imagens de adolescentes nuas ou seminuas, às vezes em cenas de sexo explícito, à venda em lojas de conveniência japonesas.

“Há a preocupação de que as ilustrações possam encorajar a visão de crianças como objetos sexuais, mas a liberdade de expressão também é um tema importante”, disse o porta-voz do governo, Yoshihide Suga.

A nova lei também toca outros pontos delicados da cultura pop japonesa, como as “junior idols”, meninas pré-adolescentes que são fotografadas em poses sensuais. Muitas bandas jovens japonesas também são um ponto polêmico, com suas integrantes aparecendo em revistas e peças publicitárias vestidas apenas de biquini ou lingerie.

Falando ao parlamento, o ministro da Justiça, Sadakazu Tanigaki, disse esperar que a nova lei possa acarretar em uma mudança de atitudes sociais.

“Devemos lutar contra a tendência de ver as crianças como objetos sexuais. Não vamos permitir que elas sejam usadas para fins sexuais e comerciais”, declarou na terça-feira, um dia antes da votação que aprovou a lei.


Estudioso afirma que “vício em pornografia é a maior crise que as igrejas podem enfrentar”

pornografia

Durante uma conferência realizada na cidade de Nashville, sudeste dos EUA, o diretor-executivo da Associação de Conselheiros Bíblicos Certificados nos Estados Unidos, Heath Lambert, comentou sobre o vício em pornografia afirmando que essa é a maior crise moral que as congregações cristãs podem confrontar.

Em sua explicação sobre o tema, Lambert ressalta ainda que a pornografia é mais prejudicial que o divórcio e a homossexualidade. Ele afirma que muitos cristãos têm disposição para ir contra a homossexualidade, mas em seguida vão para seus computadores alimentarem o vício em pornografia.

Segundo o The Christian Post, Lambert afirma que sua preocupação com a pornografia se dá em função do lado oculto do problema, visto que muitas pessoas podem estar se autodestruindo escondidos na internet, sem ninguém ter noção do que acontece. Ele fala também sobre o papel que desempenha na luta contra o vício da pornografia e afirma temer o futuro de toda uma geração que pode vir a crescer tendo sua educação sexual baseada em um contexto pornográfico.

O estudioso alerta ainda para a omissão da igreja e de pastores ao problema o que, segundo ele, acontece por uma falha nas pessoas que imaginam que alguém que está firme na igreja não possa cair em tentação. Ele pede ainda que as famílias sejam uma extensão das orientações que a igreja deve conferir.

A sugestão do estudioso é de que os pais tomem as rédeas dentro de casa e eduquem seus filhos sobre a melhor forma de lidar com sexo, “buscando a pureza”.

Ele finaliza suas orientações afirmando que as igrejas devem reforçar o ensinamento de que os homens devem “ter olhos somente para suas esposas, sem se deixar perder para a inversão de valores da pornografia, que valoriza o sexo acima do sacrifício, do cuidado mútuo e dos ensinamentos de Jesus Cristo”.

Por Dan Martins, para o Gospel+


Pornografia para todos, incluindo pastores.

 

 

Saiba mais em www.just1clickway.org

Dica do @fagnet em Humor na Faixa

Via: Genizah


Filme cristão de horror sobre pornografia abre caminho para filmes do gênero `fé’

 

 

A Onslaught Media anunciou recentemente a realização do filme cristão de horror “Inofensivo” que abre caminho para outros filmes do gênero baseado em fé.

“Inofensivo” faz uma abordagem sobre como a escravidão demoníaca da pornografia pode desencadear espíritos que aterrorizam uma família, segundo a descrição do filme.

Um marido e pai se vê em uma batalha com uma caixa de pornografia que se encontra no armário. Uma vez aberta, a caixa de pornografia começa a atormentar a família, bem como um poltergeist.

“A pornografia é um problema bastante destrutivo”, diz o diretor e produtor do filme Rich Praytor.

Praytor quer transmitir uma lição através da história sobre a pornografia, afirmando que os filmes não servem somente como entretenimento, mas sim uma maneira de ensinar as pessoas.

“A sociedade aprende sua moral e valores através do cinema, música e televisão. (…)Apenas dizer a alguém o quanto [pornografia] é perigosa geralmente não funciona,” diz ele.

“Você tem que contar uma história convincente para chamar a atenção de alguém e, em seguida, educá-los enquanto eles estão sendo entretidos”, complementa.

“Inofensivo” parece ser o mais tenso dos filmes cristãos até o momento. Apesar de abordar o tabu da pornografia, o filme não possui nenhuma imagem ou linguagem inapropriada.

“Tivemos que ser muito criativos na forma como retrataríamos a pornografia no filme. Nós não poderíamos simplesmente mostrar imagens de revistas e vídeos.”

Depois de filmes cristãos de sucesso de bilheteria como o “October Baby” e “Corageous” espera-se que “Inofensivo” também impressione o público e tenha grande repercusão.

O público já pode fazer o pré-encomendas do filme e também dar feedbacks sobre como o filme pode ser melhorado através de sua campanha Kickstarter, lançada pela equipe de produção.

O filme é esperado para Outubro deste ano com um lançamento em DVD em todo o mundo no próximo ano.

Para mais informações acesse: www.harmlessmovie.com ou vá para www.onslaughtmedia.com

Veja o trailer do filme:

 

PorAndrea Madambashi | Repórter do The Christian Post