Living The Life Without Labels

Posts com tag “pesquisa

“Os jovens matam porque foram esquecidos pelo estado” – um mito favorito da esquerda

Enterro de uma das vítimas do estupro coletivo em Castelo do Piauí

Enterro de uma das vítimas do estupro coletivo em Castelo do Piauí

 

Por

O naturalista suíço Louis Agassiz tinha uma obsessão pelo racismo científico. Acreditava que as etnias eram espécies humanas separadas e que misturá-las transformava os homens em delinquentes e degenerados.

Ao visitar o Brasil, em 1865, Agassiz deu uma olhadela pelas ruas do Rio de Janeiro e pensou ter entendido a causa da pobreza e da criminalidade do país. “Quem duvida dos males da mistura de raças que venha ao Brasil, pois não poderá negar uma deterioração decorrente da amálgama de raças”, escreveu ele.

Agassiz foi vítima de dois erros. O primeiro é a falácia de relação e causa. Ele observou dois fenômenos acompanhados (mestiçagem e pobreza) e acreditou que um era a causa do outro. Também usou suas próprias bandeiras políticas para explicar o mundo — uma armadilha mais ou menos assim: “eu defendo X; se algo acontece de errado no mundo, eu vou logo acreditar que é por falta de X e que não há outra solução senão X”.

Muita gente comete esses mesmos erros ainda hoje. De forma tão descuidada quanto o naturalista suíço, estão usando suas bandeiras políticas — a educação pública, a luta contra a miséria e a desigualdade — para explicar por que os jovens cometem crimes.

Por exemplo, quando o ciclista foi esfaqueado na Lagoa Rodrigo de Freitas por menores de idade, o jornal Extra sugeriu que os garotos se tornaram assassinos porque não tinham ido para a escola:

 

extra-22-de-janeiro-de-2015-sem-familia-sem-escola1

Já a jornalista Claudia Colucci, ao falar sobre o silêncio ao redor do terrível estupro de quatro jovens no Piauí, parece ter esclarecido o que motivou os quatro menores envolvidos no crime:

Quem são esses menores? Semianalfabetos, usuários de drogas, miseráveis, com famílias desestruturadas e com histórias de loucuras, abusos e abandono.

É o caso de perguntar: o analfabetismo e a pobreza, que atingem dezenas de milhões de brasileiros, levam mesmo os homens jovens a raptar, torturar, estuprar, furar os olhos, apedrejar e jogar do penhasco meninas indefesas?

É verdade que, em muitos casos, a baixa educação e alguns fatores econômicos acompanham a violência. Mas daí há um bom caminho para provar que um é a causa do outro. É bem provável, por exemplo, que as centenas de piauienses que foram ao enterro de uma das vítimas e se consternaram com o caso tinham o mesmo perfil de escolaridade e renda dos agressores.

O próprio Piauí contraria a tese de que a miséria causa violência. Depois do Maranhão, é o estado mais pobre do Brasil. E um dos menos violentos — a taxa de homicídios só é menor em São Paulo e Santa Catarina.

Agora, imagine se multiplicássemos a população do Piauí por cinquenta e cortássemos 40% do seu território. Chegaríamos a um país como Bangladesh, onde 150 milhões de miseráveis convivem com uma das menores taxas de homicídio do mundo – apenas 2,7 homicídios por 100 mil habitantes, um décimo da taxa brasileira.

O perfil de internos de prisões para menores de idade também contraria a crença de que agressores são vítimas da miséria. Uma pesquisa da Fundação Casa de Campinas de 2013 mostra que, de 277 internos, 80% vêm de famílias com casa própria, e metade têm renda superior a 2 mil reais. As taxas de escolaridade dos menores presos eram similares às de fora da cadeia.

Se não é a pobreza, seria então a desigualdade o motor da violência? Essa eu deixo com o psicólogo americano Steven Pinker, autor de um excelente compêndio sobre violência humana, o livro Os Anjos Bons da Nossa Natureza. Pinker aponta uma falácia de relação e causa: países mais desiguais geralmente são mais violentos, mas isso não quer dizer que desigualdade cause violência:

O problema de invocar a desigualdade para explicar mudanças na violência é que, embora ela se correlacione com a violência se compararmos estados e países, não se correlaciona com a violência ao longo do tempo em um estado ou país, possivelmente porque a verdadeira causa das diferenças não é a desigualdade em si, mas características estáveis como a governança do estado ou a cultura, que afetam tanto a desigualdade como a violência.

Um exemplo que Pinker fornece é o dos Estados Unidos: a desigualdade atingiu um mínimo em 1968, quando a criminalidade estava no auge, e subiu entre 1990 e 2000, enquanto a violência despencou.

Outra razão sempre citada são as famílias desestruturadas. Crescer sem o pai ou a mãe leva os jovens ao crime? Difícil saber. Segundo o IBGE, em 16% das famílias brasileiras, a mãe cuida sozinha dos filhos (famílias só com o pai e os filhos são outros 2%). Mas 0,01% dos adolescentes comete crimes violentos (a confiar na estatística de quem é contra a redução da maioridade penal).

O mais provável, nesse caso, é a relação inversa: em ambientes com maior criminalidade, é mais comum haver mães solteiras. Os filhos delas acabam virando criminosos não por falta do pai, mas porque crescem num ambiente criminoso.

Pinker tem um raciocínio parecido:

Embora filhos indesejados possam vir a cometer crimes ao crescer, é mais provável que as mulheres em ambientes propensos ao crime tenham mais filhos indesejados do que a indesejabilidade cause diretamente o comportamento criminoso.

A ideia de que a ausência do estado causa todos os problemas do mundo é sedutora. Mas na hora de estudar as origens da violência é melhor deixar ideologias de lado.

______________________

Uma recente manchete da Folha de S. Paulo reproduz a denúncia que publiquei há dois meses.  A afirmação de que adolescentes cometem menos de 1% dos crimes violentos é falsa, baseada numa estatística que não existe.

A reportagem foi além e descobriu dados interessantes. Em sete estados, a participação de menores nos crimes violentos é igual ou superior a 10%. No Ceará e no Distrito Federal, de acordo com as secretarias de segurança, os crimes cometidos por menores de idade passam de 30% do total.

 

folhaa-maioridade

Valeria a pena cavoucar um pouco mais os dados fornecidos pelos governos estaduais. Esses 30% no Ceará e no Distrito Federal parecem tão falsos quanto o “menos de 1%” divulgado pelo governo Dilma.

Homens adolescentes são mais violentos que a média da população, mas não mais violentos que adultos jovens. Em quase toda sociedade humana, o comportamento violento começa aos 15 anos e atinge o pico entre os 18 aos 24 anos. Seria necessário que os menores de idade fossem uma parcela muito alta da população para serem responsáveis por tantos crimes.

Leandro Narloch é jornalista e autor do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, e do Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo, além de ser co-autor, junto com o jornalista Duda Teixeira, do Guia Politicamente Incorreto da América Latina, todos na lista dos livros mais vendidos do país desde que foram lançados.
Anúncios

O heavy metal na ciência: pesquisadores usam estilo musical em seus estudos

Daniel Buarque
Do UOL, em São Paulo

A ciência comprova: jovens superdotados gostam mais de heavy metal de que de outros estilos musicais, e pesquisas acadêmicas dizem ainda que homens que gostam de metal são mais atraentes para mulheres. Por outro lado, estudos revelam que fãs de rock pesado são mais imprudentes, depressivos e correm o risco de machucar o cérebro e o pescoço ao agitar as cabeças para cima e para baixo no ritmo do som pesado.

Não são poucos os estudos científicos realizados em algumas das mais importantes universidades do mundo envolvendo o heavy metal. Só uma busca no site de USP tem 1.250 referências para música e heavy metal, desde artigos e pesquisas acadêmicas até arquivos de jornais e revistas, mesmo que a maioria das referências seja de citações do termo em textos relacionados a outros assuntos.

Já a Biblioteca Britânica, um dos maiores arquivos do mundo, tem 1.025 retornos para a busca por “heavy metal” e “música”, enquanto o arquivo da biblioteca do King’s College, de Londres, uma das melhores universidades do mundo, oferece 3.415 referências para estudos acadêmicos acerca do heavy metal (o estilo musical, não confundir com estudos químicos e de medicina sobre metais pesados).

As pesquisas vão desde assuntos curiosos e engraçados, como a relação entre atração sexual e preferência musical, até análises de física cinética que comparam o movimento dos roqueiros em rodas de pogo (dança em que eles se empurram e dão cotoveladas uns nos outros em frente ao palco) com a dispersão de gases.

O UOL reuniu abaixo oito das mais interessantes pesquisas acadêmicas relacionadas ao heavy metal no mundo.

1 – Metaleiros superdotados

escola-de-rock--jack-black-1396902450584_615x300

Em 2007, uma pesquisa da Academia Nacional para Jovens Talentosos e Superdotados da Universidade de Warwick, no Reino Unido, apontou uma relação entre heavy metal e estudantes superdotados. Estudantes que se identificaram com a subcultura metaleira disseram que o heavy metal pode ser usado como instrumento de catarse, com a música normalmente agressiva e em alto volume usada para liberar as suas frustrações e irritações.

O estudo descobriu que rock era o estilo mais popular entre os jovens gênios e que, de fato, havia uma associação entre os estilos musicais e a personalidade dos estudantes: os que dizem gostar de heavy metal teriam uma autoestima mais baixa do que os outros.

Os pesquisadores Stuart Cadwallader e Jim Campbell avaliaram 1.057 alunos entre 11 e 18 anos e suas respostas sobre família, escola, lazer e mídia, além de opiniões sobre gosto musical. “Talvez as pressões associadas ao talento e a superdotação possam ser temporariamente esquecidas com o auxílio da música”, escreveu Cadwallader, em um trecho do trabalho. “Como um estudante sugeriu, talvez jovens mais inteligentes se sintam mais pressionados do que os outros e usem a música para lidar com isso.”

2 – Física da roda de pogo

roda-de-pogo-1427148386160_615x300

O movimento de metaleiros em uma rodinha daquelas abertas durante os shows, que pode ser confundida com uma briga pelos desavisados, se assemelha ao comportamento de partículas gasosas, segundo um estudo do departamento de física da universidade de Ithaca, nos Estados Unidos.

Cientistas desenvolveram uma pesquisa sobre o movimento do pogo, como ficou conhecido esse estilo de dança praticado por metaleiros e punks, e alegaram que “shows de heavy metal são modelos únicos para estudar o movimento coletivo humano de forma confiável, consistente e ética”. O nome do estudo é “Movimento Coletivo de Humanos em Rodas de Pogo em Shows de Heavy Metal”, e ele foi publicado em 2013.

Um grupo de quatro pesquisadores se debruçou sobre vídeos da internet que mostram as rodas em shows de metal para estudar a forma como se dava o movimento dos envolvidos. “Descobrimos que esses grupos sociais extremos geram comportamentos igualmente extremos: um estado de desordem semelhante a um gás no chamado ‘mosh pit’ [roda de pogo em que os participantes batem de frente] e um movimento ordenado como um vortex, no que é chamado de ‘circle pit’ [roda de pogo em que eles correm em círculos, empurrando uns aos outros]. Os dois fenômenos são reproduzidos em simulações de movimento de manada, demonstrando que o comportamento coletivo humano é consistente com as previsões de modelos simplificados.”

“Em ‘mosh pits’ tradicionais, os participantes se movimentam aleatoriamente, colidindo uns contra os outros de forma não dirigida.” Segundo o estudo, “este fenômeno se assemelha à cinética das partículas gasosas, embora ‘moshers’ sejam agentes com autopropulsão que experimentam colisões dissipadoras e existem em uma densidade muito mais elevada do que a maioria sistemas gasosos.”

3 – Abraçados ao caos

21jun2014---fas-de-heavy-metal-aproveitam-o-segundo-dia-do-hellfest-festival-de-musica-realizado-na-franca-neste-sabado-21-entre-as-atracoes-deste-ano-nomes-de-peso-como-iron-maiden-black-sabbath-1403400778223_615x300

As rodas de pogo formadas por metaleiros também foram estudadas por uma pesquisadora do Canadá, que desenvolveu uma análise dos “mosh pits” sob o ponto de vista cultural. Segundo ela, “‘moshing’ é uma forma de dana ritualizada e furiosa que combina a agressão física com exibição coletiva de emoções”.

O trabalho buscou entender o que leva os frequentadores a entrarem em espaços nos quais, aparentemente, os movimentos dos participantes geram completo caos e violência. “O ‘mosh pit’ é considerado parte vital da experiência de ir a um show, oferecendo uma oportunidade para fãs de metal jogarem com aspectos mais obscuros da existência, subvertendo convenções sociais normativas e liberando frustrações mundanas enquanto fortalece o senso de comunidade.”

O trabalho de Gabrielle Riches foi publicado em julho de 2011 no “Journal for Cultural Research”. Seu título é “Abraçando o Caos: Rodas de Pogo, Música de Metal Extremo e Liminaridade”. Riches ainda aproveita a pesquisa para apresentar a história dessas rodinhas. Segundo ela, o termo surgiu no início dos anos 1980 em Washington, DC, graças à banda punk Bad Brains, que costumava usar o termo “mash” (amassar, esmagar) em suas letras, incentivando danças violentas em frente ao palco. Segundo a pesquisadora, o sotaque forte de H.R., o vocalista da banda, levou os fãs a entenderem erroneamente “mosh”, e o termo acabou se espalhando.
4 – Metaleiros imprudentes

fa-de-heavy-metal-e-batizado-com-cerveja-durante-o-festival-de-heavy-metal-wacken-open-air-na-alemanha-1427152568469_615x300

Adolescentes que gostam de rock pesado têm comportamentos mais imprudentes, passando a ser mais irresponsáveis em relação à direção de veículos, à vida sexual, ao uso de drogas, e até mais próximos de atividades criminosas, segundo uma pesquisa de psicologia realizada na virada da década de 1980 para os anos 1990. O estudo “Música Heavy Metal e Comportamento Imprudente entre Adolescentes”, de Jeffrey Arnett, comparou adolescentes que ouvem heavy metal com outros que não gostam do estilo e descobriu que os fãs de rock pesado são diferentes e têm autoestima mais baixa.

Com um olhar que hoje pode ser considerado cheio de preconceitos, a pesquisa cita protestos de associações de pais dos EUA nos anos 1980 contra o heavy metal, alegando que o estilo promovia comportamentos perigosos como promiscuidade, uso de drogas e satanismo.

A pesquisa até tenta fugir do preconceito ao falar que a relação não indica causa, mas diz que a relação entre a preferência musical por metal e diferenças de comportamentos é real. “Pode se dizer que a atração pelo heavy metal reflete um alto nível de busca por sensações, e o alto nível de comportamento imprudente reflete o fracasso em dirigir essa busca por sensações através de canais socialmente aceitos.”

5 – Roqueiros depressivos

fa-noruegues-de-black-metal-1427151165249_615x300

Adolescentes que gostam de heavy metal têm uma tendência “significativamente mais alta” a comportamentos depressivos do que adolescentes que preferem outros estilos musicais, segundo uma pesquisa de psicólogos da Turquia.

Segundo o artigo acadêmico “A Associação da Preferência Musical e Sintomas Depressivos em Estudantes do Ensino Médio”, o percentual de estudantes com relações problemáticas com os pais era mais alto entre os jovens que gostam de heavy metal. O estudo analisou 1.226 estudantes de quatro escolas de Istambul, dos quais 27,7% indicaram o rock como estilo musical preferido.

Os pesquisadores defendem que a música tem um importante impacto na vida dos adolescentes, independentemente do gênero, e que ela é uma forma de refletir os sentimentos, valores, necessidades e conflitos dos jovens.

6 – Torcicolo de quem “bate cabeça”

x-1375383032607_615x300

Uma música de heavy metal tem em média 146 batidas por minuto, o que pode causar danos leves no cérebro e no pescoço quando o metaleiro sacode a cabeça para cima e para baixo em um movimento com amplitude maior do que 75 graus. Esta é a conclusão do estudo “Danos à Cabeça e ao Pescoço no Heavy Metal”, da universidade australiana New South, publicado em 2008. Quanto maior a velocidade da música, maior o risco de ferimento no pescoço.

“Jovens que vão a shows de heavy metal costumam se sentir tontos e confusos, possíveis sintomas de dano traumático leve ao cérebro”, diz a pesquisa, que explica que “bater cabeça” (headbanging, em inglês), “é uma atividade violenta associada com rock pesado e vários subgêneros do heavy metal”. Para minimizar o risco de ferimentos, os “batedores de cabeça” ou “headbangers” devem diminuir a amplitude do movimento de cabeça e pescoço. Outras precauções são bater cabeça em músicas mais lentas ou mexê-la em batidas alternadas. Outra opção é usar equipamento de proteção.

O estudo ainda explica que o termo “bater cabeça” surgiu em 1968 em um show do Led Zeppelin em Boston. Durante a apresentação, as filas do público na frente do palco balançavam as cabeças no tempo da música, dando origem à expressão.

7 – Sem esperança

09out2013---black-sabbath-em-porto-alegre-rs-onde-o-grupo-faz-o-primeiro-show-no-pais-a-turne-mundial-the-reunion-tour-reune-ozzy-osbourne-vocal-tony-iommi-guitarra-e-geezer-butler-baixo-1381378774664_615x300

A história do heavy metal é marcada por processos judiciais nos EUA em que músicos foram acusados de incentivar o suicídio de jovens. Mesmo que isso seja parte de uma postura preconceituosa em relação ao estilo, um estudo acadêmico publicado em 1998 revelou que há ligação entre gostar de heavy metal e a aceitação do suicídio por conta da “exposição a uma cultura de caos pessoal e social marcada pela falta de esperança”.

Segundo Steven Stack, autor de “Heavy Metal, Religiosidade e Aceitação do Suicídio”, não é possível dizer de forma direta que metaleiros são suicidas, mas existe evidência para uma ligação entre o estilo musical e suicídios. “Caos é o tema que distingue o metal das outras formas de rock surgidas antes dele. O caos tem duas dimensões no metal: pessoal e social”, diz um trecho do estudo.

O trabalho também defende que essa relação deixa de ser significativa quando o nível de religiosidade é controlado. “Fãs de metal têm baixa religiosidade, o que contribui, por sua vez, para uma maior aceitação do suicídio.”

8 – Metaleiros atraentes

gene-simmons-vocalista-e-baixista-do-kiss-posa-com-garotas-1427152235428_615x300

Homens que gostam de heavy metal são mais atraentes de que os que gostam de outros estilos musicais, segundo o estudo “Efeitos da Associação a Gêneros Musicais na atração Heterossexual”, desenvolvido em 1989 por Dolf Zillmann e Azra Bhatia.

Segundo a pesquisa, a preferência por música country diminui a atração em entrevistados dos dois sexos. Por outro lado, a devoção à música clássica e ao heavy metal teve uma reação específica por gênero.  O fascínio pela música pesada aumentou muito o apelo dos homens e diminuiu o apelo das mulheres. Enquanto a adoração por música clássica teve consequências contrárias, aumentando o apelo das mulheres e diminuindo o de homens.

Na pesquisa, estudantes universitários foram convidados a estimar traços de comportamento e avaliar a quantidade de desejo por um potencial encontro heterossexual.  O estudo descobriu que a revelação da preferência musical tem influência sobre a atração heterossexual, assim como a percepção e a avaliação dos traços pertinentes. O estudo revelou ainda que as mulheres não preferem necessariamente homens que têm as mesmas preferências musicais que elas, enquanto homens se sentem mais atraídos por mulheres que têm os mesmos gostos que eles.

Fonte: UOL


Bob Dylan motiva aposta entre cientistas que citam letras em artigos

dylna

Do G1, em São Paulo

O cantor e compositor americano Bob Dylan motivou uma aposta entre cinco cientistas de um centro de pesquisa na Suécia, informa nesta segunda-feira (29) o “Guardian”. De acordo com o jornal britânico, os acadêmicos do Instituto Karolinska disputam para ver quem reproduz, em seus respectivos artigos científicos, o maior número de versos escritos pelo artista. O campeão vai ser aquele que, até a aposentadoria, somar mais citações. O prêmio é um almoço num restaurante de Estocolmo, capital sueca.

Clique aqui para ver a foto dos cientistas apostadores e fãs de Bob Dylan.

Tudo começou em 1997, depois de um texto publicado na revista “Nature” pela dupla de cientistas Jon Lundberg e Eddie Weitzberg. O título era “Nitric Oxide an Inflammation: The answear is blowing in the wind”. Ele citava um dos versos mais conhecidos de Dylan – faz parte da música “Blowin’ in the wind”.

Alguns anos depois, os cientistas Jonas Frisén e Konstantinos Meletis usaram outra referência a Bob Dylan. Publicado em 2003, o texto “Blood on the tracks: A simple twist of fate?” foi ainda mais longe, ao mencionar tanto o título de um disco (“Blood on the tracks”, de 1975) e como o nome de uma música desse mesmo disco (“Simple twist of fate”). O tema do trabalho era a transformação de células sanguíneas em células nervosas.

Em seguida, Jon Lundberg e Eddie Weitzberg publicaram “The biological role of Nitrate and Nitrite: The times they are a-changin” (citação a “The times they are a-changin'”, de 1964). Foi então que resolveram enviar um e-mail a Jonas Frisén anunciando formalmente a aposta. A partir dali, a competição ficou intensa.

Novamente ao lado de Konstantinos Meletis, Frisén publicou em 2010 o artigo “‘Eph receptors tangled up in two’ in cell cycle”. A resposta do time adversário veio no ano seguinte, com “Dietary nitrate – A slow train coming”.

O quinto participante da corrida é Kenneth Chien, que já citava Bob Dylan fazia tempo e sequer conhecia o “combate” entre os colegas. Em 1997, ele havia publicado o artigo “Tangled up in blue: Molecular cardiology in the postmolecular era”.

Segundo o “Guardian”, a disputa não é restrita a artigos científicos. Vale também para introduções de livros, editoriais e textos similares.

Em agosto, os cinco apostadores participaram de um encontro promovido por um jornal do Instituto Karolinska. Durante a conversa, todos se disseram grandes fãs do músico americano, que foi tema recorrente do bate-papo.

Mas em entrevista ao jornal “The Local” Weitzberg teria admitido: “Eu gostaria muito mais de ficar famoso pelo meu trabalho científico do que pelas minhas citações a Bob Dylan”.

Fonte: G1


Novos estudos científicos mostram que no final das contas não existem ateus

ateismo

No dito popular que visa desmerecer os incrédulos contemporâneos, diz-se que “Deus não acredita nos ateus”. Agora, um grupo de pesquisadores afirma que o ditado pode ter muito mais razão do que se imaginava.

Um artigo do escritor Nury Vittachi afirma que as pesquisas multidisciplinares que vem sendo desenvolvidas apóiam cada vez mais a ideia de que o cérebro humano foi desenvolvido para crer na existência de Deus.

No texto intitulado “Cientistas descobrem que os ateus podem não existir, e isso não é uma piada”, Vittachi afirma que o “ateísmo é psicologicamente impossível devido à maneira como os seres humanos pensam”.

Vittachi cita ainda novos estudos mostram que “até mesmo as pessoas que afirmam estar comprometidas tacitamente com o ateísmo têm crenças religiosas, como a existência de uma alma imortal”.

Segundo o Charisma News, o artigo de Vittachi cita ainda outro pesquisador ateu que demonstrou que todas as pessoas se envolvem num monólogo interno, independentemente se a pessoa a quem os seus pensamentos são dirigidos está realmente presente.

Vittachi diz em seu artigo que existe uma tendência humana intrínseca de acreditar na justiça divina. O autor afirma que tanto as pessoas religiosas e não-religiosas possuem um senso inato de que consequência. “Se eu cometer um pecado, não é um evento isolado, mas terá repercussões apropriadas”, escreve Vittachi, que lembra que o termo comumente usado pelos não cristãos é “carma”.

Mesmo os ateus mais ferrenhos não são isentos de crenças: “Se um ente querido morre, mesmo pessoas muito anti-religiosas geralmente sentem uma necessidade de um ritual de despedida, com leituras de livros antigos e/ou entoação de declarações que não são nada além do que orações”, Vittachi escreve. “Em situações de guerra, os comandantes frequentemente comentam que os soldados ateus oram muito mais do que eles pensam que eles fazem”, acrescentou.

O jornalista cristão Alex Kocman comentou o artigo de Vittachi dizendo que enquanto os cientistas tentam conectar todas essas tendências de fé a uma fonte de evolução, eles “estão ignorando a chave de todas as evidências: a cosmovisão cristã bíblica”.

“Em Romanos 1:18-23, o apóstolo Paulo escreve que ‘o que se pode conhecer de Deus é manifesto entre eles’, isto é, todos os homens e que ‘seus atributos invisíveis’, ou seja, o seu eterno poder e sua natureza divina, ‘têm sido claramente percebido, desde a criação do mundo, nas coisas que foram feitas. Então, eles são inescusáveis’. Ele, então, vai ao ponto de afirmar que todas essas pessoas ‘sabem de Deus’ (v. 21). A implicação, portanto, é que o homem por natureza pressupõe a existência de seu Criador, até que ele se convence a pensar o contrário”, sintetizou o jornalista.

Fonte: Gospel+


Maconha — comprovados prejuízos

maconha

 Paulo Roberto Campos

Praticamente todos os dias surgem notícias relativas ao agravamento do problema das drogas no Brasil. O número de dependentes cresce diariamente e, em muitos casos, tal dependência é gerada a partir do uso da maconha.

Apesar de muitos “maconheiros”, e mesmo alguns que não experimentaram os efeitos da erva, contestarem os malefícios da cannabis, alegando que o “baseado é droga leve”, ela tem se revelado como porta de entrada para drogas ainda mais nocivas, como a cocaína, heroína, crack, oxi, etc. Neste sentido, abundam testemunhos de usuários que começaram pela maconha e encontram-se viciados em “drogas mais pesadas”, sem falar do gravíssimo problema do envolvimento com o narcotráfico.

Sobre os preocupantes malefícios da maconha, uma matéria muito bem fundamentada, de autoria de pesquisadores norte-americanos do “National Institute on Drug Abuse”, foi publicada no dia 5 de junho no “The New England Journal of Medicine” — revista da Sociedade Médica de Massachusetts (EUA), uma das mais prestigiosos do mundo.

O estudo comprova os danos que causam o THC — sigla de tetra-hidrocanabinol, substância que se encontra nas folhas da cannabis. Entre diversos malefícios da maconha, os pesquisadores revelam que 9% dos usuários ficam dependentes, causando neles crises de abstinência e, em consequência, irritabilidade, insônia, instabilidade de humor e ansiedade.

Segundo os mesmos pesquisadores, os “maconheiros” apresentam menos conexões entre neurônios em áreas específicas do cérebro, que controlam funções como aprendizado e memória; que o uso regular da maconha aumenta o risco de crises de ansiedade, depressão e psicoses, sobretudo em pessoas com vulnerabilidade genética; provoca inflamações das vias aéreas; danifica as artérias e predispõe ao infarto e ao derrame cerebral.

Em razão do conhecimento real dos graves prejuízos provocados pela cannabis, torna-se incompreensível que ainda haja pessoas — até mesmo entre figuras que desejam aparecer como “moderninhas” e tidas no Brasil como intelectuais — que defendam a descriminalização da droga e que ainda se autorize “Marchas pela legalização da maconha”.

(*) Paulo Roberto Campos é jornalista e colaborador da ABIM.

Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)


Estudo comprova que leitura modifica a estrutura do cérebro

Publicado no Universia Brasil

Fonte: Shutterstock O hábito de ler diferentes tipos de obras desenvolve uma alta conectividade no córtex temporal esquerdo

Fonte: Shutterstock
O hábito de ler diferentes tipos de obras desenvolve uma alta conectividade no córtex temporal esquerdo

 

A maioria das pessoas já sabe os benefícios que a leitura traz para o cérebro: aumento da capacidade de manter a atenção, aumento do vocabulário, entre outras coisas. Entretanto, um estudo recente realizado pela Emory University, nos Estados Unidos, chegou a um resultado surpreendente: ler muito pode mudar a estrutura cerebral.

Estudos passados mostraram como cérebro se comporta durante a leitura. Agora, os pesquisadores Gregory S. Berns, Kristina Blaine, Michael J. Prietula e Brandon E. Pye quiseram entender se o hábito de ler pode trazer modificações mais permanentes ao cérebro. Eles desenvolveram um processo de leitura com estudantes da Emory University: um grupo misturou romances com livros relacionados aos seus cursos, e o outro grupo leu somente estudos e obras acadêmicas.

Após o fim da pesquisa, o resultado foi maior do que eles imaginavam. Os alunos que criaram o hábito de ler diferentes tipos de obras desenvolveram uma alta conectividade no córtex temporal esquerdo, área responsável pela assimilação da linguagem. Isso significa que eles conseguiam compreender e processar o que estava escrito de maneira mais rápida e completa do que pessoas que não possuíam o hábito de ler.

Além disso, as conectividades do córtex temporal esquerdo fazem com que o cérebro consiga conectar ideias (palavras) com as sensações que elas representam. Ou seja: ao lerem a palavra “correr”, os participantes que liam mais conseguiam sentir as sensações de uma corrida de maneira mais eficaz do que os outros.
A conclusão que os pesquisadores chegaram é que pessoas que possuem o hábito de ler conseguem sentir uma empatia maior com os personagens dos livros e, por isso, vivenciar uma experiência mais forte com a leitura. Que tal um bom livro? Aqui você pode baixar mais de 1.000 livros grátis. Confira a lista e boa leitura!

 

Fonte: Livros e Pessoas


Bateristas: estudos indicam que eles são os mais inteligentes

batera

Traduzido por Leonardo Daniel Tavares da Silva | Fonte: Policymic

No mundo da música, piadas de baterista são sempre populares. A maioria delas têm o mesmo mote: Bateristas são idiotas. Tomemos, por exemplo, a seguinte: “Como você sabe dizer se o palco está nivelado? O baterista está babando de ambos os lados de sua boca”.

Quer se trate de serem impiedosamente ridicularizados por sua idiotice, mortos repetidamente em This Is Spinal Tap ou apenas paquerados menos freqüentemente do que o guitarrista, os bateristas caminham por uma estrada difícil. Mas acontece que a ciência os mantém em muito alta conta: eles têm uma habilidade inata rara de resolver problemas e mudar o ambiente que os rodeia.

Para começar, bateristas consistentemente podem realmente ser mais espertos que seus colegas de banda menos focados no ritmo. Um estudo do Karolinska Institutet em Estocolmo encontrou uma ligação entre inteligência, boa percepção do tempo e a parte do cérebro usada para resolver problemas. Os pesquisadores fizeram os bateristas tocar uma variedade de batidas diferentes e então lhes passaram um simples teste de inteligência com 60 questões. Os bateristas que fizeram mais questões também foram capazes de manter uma batida consistente. Aparentemente, descobrir como tocar no tempo é outra forma de resolver problemas. Pelo menos, é uma prova de que John Bonham era mesmo um gênio.

Mas mesmo que um baterista firme possa ser mais inteligente do que seus colegas de banda, os dons do baterista podem ser compartilhados: uma batida firme realmente pode transferir essa inteligência natural para os outros. Em estudos sobre os efeitos do ritmo no cérebro, os pesquisadores mostraram que experimentar um ritmo constante realmente melhora a função cognitiva. Um professor de psicologia da Universidade de Washington usou a Terapia de Som e Luz Rítmica e em seus alunos e descobriu que suas notas melhoraram. Da mesma forma, um pesquisador da Universidade do Texas usou esse método em um grupo de meninos do ensino fundamental e médio com ADD. As terapias tiveram um efeito semelhante a Ritalina, trazendo eventualmente aumentos duradouros nos escores de QI dos meninos.

Com certeza, esses estudos focaram mais sobre os efeitos do ritmo sobre a mente, em vez de sobre a mente por trás do ritmo. Dito isto, o foco rítmico consistente dos bateristas tem efeitos positivos sobre eles e aqueles ao seu redor (sim, até mesmo seus vizinhos). Isso porque quando bateristas trazem um ritmo constante (e correspondente capacidade de resolver problemas) para um ambiente de grupo, eles realmente criam uma aura de baterista em todos ao seu redor. Pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram que quando bateristas tocam juntos, ambos os seus níveis de felicidade e tolerância à dor aumentam, semelhante aos corredores olímpicos.

Observando que essa aura levou aos pesquisadores a criar a hipótese de que tocar bateria era um integrante da construção de comunidade e que compartilhar ritmos poderia ser o tipo de comportamento necessário para a evolução da sociedade humana. Obrigado, Phil (Collins).

Tocar bateria é uma coisa fundamentalmente humana. Muito da música moderna passou para baterias eletrônicas para criar ritmos eletrônicos ultra-precisos. Mas acontece que o que normalmente percebemos como erro é realmente apenas um sentimento exclusivamente humano de tempo: Pesquisadores de Harvard descobriram que bateristas usam um tipo diferente de relógio interno que se move em ondas, em vez de linearmente como um relógio de verdade faz. Eles combinam um ritmo inato que foi encontrado em ondas cerebrais humanas, a freqüência cardíaca durante o sono e até mesmo os disparos do nervo auditivo em gatos. Quando um baterista humano toca, ele ou ela encontra um ritmo humano.

Assim, os estereótipos não são apenas infundadas, eles também estão totalmente errados. Muitos desses estudos têm a ver tanto com o ritmo quanto com o ato de tocar bateria, mas os bateristas são mais engajados com os elementos mentais do que a maioria. São pessoas em uma corrente fundamental do que significa ser humano, as pessoas em torno do qual as bandas e comunidades se formam.

E admito que, às vezes eles até mesmo escrevem grandes canções.

NT. E ainda há os que escrevem livros, como é o caso de Neil Pert.
Fonte: Bateristas: estudos indicam que eles são os mais inteligentes http://whiplash.net/materias/news_814/205124-instrumentos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2FiSMr+%28WHIPLASH.NET+-+Rock+e+Heavy+Metal%29#ixzz34MSwQAQU