Living The Life Without Labels

A Lógica dos Crossovers de Tokusatsu

Texto originalmente publicado no Henshin Journey por Rafael de Jesus
(rafaeldjesus@hotmail.com)

kr

Desde que a TOEI ingressou no mundo dos tokusatsus, ela produz crossovers entre suas séries, como atrações a mais para serem exibidas no cinema e em ocasiões específicas na TV. Porém tais encontros não agradam muito aos fãs ocidentais em alguns aspectos, pois a impressão inicial é que não há uma lógica única para conectar as franquias da TOEI. O que de fato é verdade, diferente da lógica dos “filmes de encontro” no ocidente. Cada filme estabelece o seu “realismo” e não há o compromisso de coerência com os crossovers anteriores e séries originais. Esses filmes também são conhecidos por trazerem de volta personagens que já estão mortos ou inativos ao fim de suas séries. Também são oportunidades para que os personagens tenham suas personalidades deslocadas temporariamente (muitas vezes fingimento por parte dos heróis para enganar os antagonistas, passando-se por seus aliados) a fim de acentuar o drama do plot.

Uma queixa recente foi em relação ao crossover entre Kamen Rider Drive (2014-2015) e Shuriken Sentai Ninninger (2015). Os dois Super Hero Taisens (2012 e 2013), crossovers entre as franquias Kamen Rider e Super Sentai, haviam “estabelecido” que todos os heróis de ambos os universos habitavam o mesmo mundo. Então veio Kamen Rider Drive vs. Shuriken Sentai Ninninger: The Movie (2015) e sugeriu que Kamen Riders e Super Sentai Heroes habitavam dimensões diferentes.

Super Hero Taisen Z (2013)

Super Hero Taisen Z (2013)

No ocidente, cuja literatura e narrativas em geral prezam pela coerência e continuidade, tais variações soam para nós como desrespeito aos personagens por parte da TOEI e de seus roteiristas.

Para entender esta “incoerência” precisamos entender primeiro alguns elementos da estética da arte japonesa.

“O sistema de representação tem por função representar, assumindo a realidade crua como objeto. O sistema de apresentação, por outro lado, tem a função de apresentar, possuindo diversas manifestações de estilo, porém sem o compromisso de assumir a realidade crua.”

– Donald Richie em A Hundred Years of Japanese Film – A Concise History (2005), p.11

 

“…Entre outras ideias, a estética oriental sugere que estruturas ordenadas forjam, que a exposição lógica falsifica e que a linearidade eventualmente limita.”

– Donald Richie em A Tractate of Japanese Aesthetics (2007), p.6

 

“…Muitos escritores prezam pela qualidade da indecisão na estrutura de seus trabalhos. E algo muito lógico e muito simétrico é evitado…”

– Donald Richie em A Tractate of Japanese Aesthetics (2007), p.6

 

“…Então, se estética no Ocidente está principalmente ligada às teorias da arte, no Japão está ligada a questões de gosto [estética].”

– Donald Richie em A Tractate of Japanese Aesthetics (2007), p.23

 

A televisão japonesa tem raízes de estilo e storytelling no cinema, teatro e literatura locais, conjugadas com diversos outros elementos herdados do audiovisual ocidental, onde a construção estética está acima da construção narrativa (em diversos níveis), sem compromisso com uma representação (e/ou emulação) da realidade. Há construção de realidade, mas cada obra fabrica a sua. Apresentar uma situação de espetáculo de forma livre é dominante sobre uma narrativa realista, linear e prosaica. Este paradigma vem sendo suprimido ao longo das décadas pela maior influência do cinema ocidental que é lógico, racional e linear. Porém este modo de pensar nunca morreu, pois é algo intrínseco da cultura japonesa em diversos segmentos, não só da arte, mas também da forma de observar e apreender o mundo.

Super Sentai World (1994)

Super Sentai World (1994)

Uma prova de que tal modelo está vivo são os “filmes de encontro” de tokusatsu (não somente os da TOEI, mas também os da Tsuburaya e filmes especiais de animes). O desejo de juntar personagens que jamais deveriam se encontrar (e de deslocá-los do contexto das séries) é maior que o formalismo narrativo. Não há impossibilidades quando se tem o dispositivo cinema. O desejo pela concretização do espetáculo estreita a manifestação da narrativa lógica que é agente limitador da criatividade. Tais filmes falam da imaterialidade e atemporalidade de personagens que se tornaram ícones, sendo invencíveis até mesmo para as regras do tempo e do espaço, de tal forma que não há necessidade de um subtexto que articule um ponto de vista realista. O autor tem uma ideia e irá apresentá-la ao espectador, da forma que ele achar melhor, da maneira que faça o fã sorrir e se emocionar com os encontros e retornos milagrosos. Em outras palavras, tem a finalidade de fan service. Na iconografia dos tokusatsu nada se perde, tudo se recicla e ganha potência a cada incidência.

Aplicar o paradigma ocidental de narrativa para entender os processos narrativos japoneses só trará frustração. Devemos entender que o processo criativo deles é outro bem diferente do nosso, pautado em outros princípios que não encontramos no ocidente. Podem parecer estranhos numa primeira análise, mas se mostram autênticos e originais em estudos mais profundos. Então, devemos fazer o que os japoneses fazem em relação aos crossovers: se divertir sem precisar articular o filme num modelo realista, porque, no fim das contas, se pararmos para analisar, o cinema é uma grande fantasia, até mesmo os filmes ditos realistas e documentais.

Via: Senpuu

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s