Living The Life Without Labels

“NÓS DEIXAMOS A IGREJA”

Ouço muito esta frase em meu círculo de convivência.

Filiados em alguma igreja evangélica e hoje declaram que “afastamo-nos da igreja institucional para manter sua fé”. Muitos peregrinam por vários ministérios e denominações e se dão conta que não atingiram profundidade relacional e “espiritual” suficiente, outros se deparam com universo do “mercado gospel”, submetem-se à a campanhas e correntes espirituais e dão-se conta da cansaço.

Ficam pelo caminho.

A PERGUNTA QUE FAÇO É: ATUALMENTE COMO OS BRASILEIROS “NÃO-EVANGÉLICOS” ENXERGAM OS EVANGÉLICOS?

Recente pesquisa americana, publicada na obra “Descrentes” (2013, Editora UDF),  revelam dados inéditos e surpreendentes acerca dos evangélicos americanos. É preciso ressaltar que as matizes do evangelicalismo nos EUA são diferentes do Brasil, no entanto, creio que podemos fazer algumas comparações e traçar paralelos, apenas para fomentar a discussão.

Através de intrincada pesquisa de campo, telefônica e outros métodos quantitativos e qualitativos, a obra revela como os “não – evangélicos” percebem os evangélicos nos EUA. A pesquisa foi realizada sobretudo junto a juventude estadunidense. No país da pesquisa o número dos “nones” (no Brasil chamados de “sem religião”), aumenta à cada ano e a apatia das gerações vindouras em relação a frequência de cultos e participação, conversão e pertencimento prologando em uma Igreja Evangélica é cada vez menor.

De fato os EUA presencia hoje vigorosa crise na relação entre o cristianismo e a juventude. Uma evasão e novos caminhos espirituais.

Discuto  uma crise de “auto imagem” evangélica. No caso, pode-se crer que, para a sociedade em geral, o indivíduo evangélico desperte bons sentimentos. O fiel realiza obras sociais, as igrejas constroem escolas, etc. Na análise que estamos focando, constatou-se o que já percebo (não empiricamente), ao observar como o cristianismo evangélico ressoa entre meus amigos e parentes, alunos e conhecidos.

Vejamos: a partir da década de 90, quando ouve o “boom” evangélico no Brasil, o perfil do “crente”, passou por várias fases.  Podemos considerar que em um passado recente, possuíam o estigma de “bom pagador, gente honesta e trabalhador correto”, pessoas mansas e perdoadoras. Uma outra proposta seria a fase atual, uma mudança para um novo perfil, menos generoso. Talvez no Brasil estes “homens da bíblia”, atualmente sejam reconhecidos  de fato como a pesquisa americana aponta.

Resultado da teologia da prosperidade… Talvez? Talvez fruto do surgimento de diversos ministérios autônomos e com ética duvidosa? Talvez por uma possível onda ateísta e um desinteresse pelas religiões, fruto do “pós modernidade”, cujo principal viés é o apregoamento de uma sociedade mais racional, científica e menos mística? Realmente há muitos “talvez” nesta texto.

Caso os dados fossem recolhidos no Brasil entendo que os resultados seriam parecidos! Levando em consideração a performance negativa e escândalos envolvendo personalidades gospel, a inserção dos evangélicos na política partidária, etc. Podemos considerar um perfil parecido.

Não posso generalizar, há inúmeros bons exemplos de ações evangélicas positivas, como o “Rio de Paz” e a ong “Visão Mundial” por exemplo.

Como aqui é meu blog, estou “pensando alto”…
Autor: Livan Chiroma

Untitled-13

Fonte: Verbalizando Missões Urbanas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s