Living The Life Without Labels

80 anos de Mickey Mouse

Publicado por Livros e Afins

Em outubro de 1928 Walter Elias Disney acabava de perder a patente de um personagem que havia criado para a Universal Studios, Oswald, o coelho. Em seu retorno para Flórida Disney lembrava-se de seus tempos mais difíceis em que seu único companheiro era Mortiner (nome que ele deu a um ratinho que aparecia de vez em quando no seu escritório em Kansas). Foi ai que teve a ideia de criar um camundongo com feições humanas.

Sua esposa Lilly não gostou do nome Mortiner e sugeriu: “Que tal Mickey?!”.

Quando encontrou seu irmão e Ub Iewrks disse entusiasmadamente: “Não temos mais o Oswald Rabbit, mas temos o Mickey Mouse!”.

A personalidade de Mickey é uma mistura bem dosada de Disney com uma forte influência de seu ídolo: Charles Chaplin, e uma frase de Chaplin era o hino de Disney na hora da criação de Mickey: “Devemos olhar para os adultos como uma criança em potencial e para crianças como possíveis adultos. Devemos fazer coisas claras à inteligência de ambos!”.

Mickey teve dois curtas adoráveis e, obviamente, mudos e sem cor, mas o camundongo não despertou grande interesse do publico. Até que Walt assistiu a um excelente filme da Warner Bros. com som e voltou com a ideia de dar a Mickey uma voz.

“Roy, como as pessoas vão gostar de Mickey se elas nem sabem como ele fala!”, Walt teria dito ao irmão.

“Mas Walt, não temos dinheiro para isso!”

“Precisamos tentar. Vamos irmão!”

“Certo, mas como você pretende colocar som em uma animação? Isto nunca foi feito!”

“Irmão…eu não faço a menor ideia! Mas vou descobrir!”

“Se você não descobrir, estamos falidos!”

Mesmo sem dinheiro, Walt fez um terceiro desenho de Mickey o “Steamboat Willie”, que foi todo preparado para receber som. Disney desenvolvia a técnica perfeita para acrescentar às imagens. E o mais curioso é que mesmo sem saber como usar os equipamentos de som, ele criou o método de sincronização entre som e imagem. O método se tornou o sistema básico de todos os desenhos animados que se seguiram.

Um sucesso estrondoso invadiu a The Walt Disney Studios. E ao final de um ano Disney e sua equipe produziram mais de 15 desenhos do camundongo. O Mickey falando, assobiando e cantarolando. As pessoas sentem atração por estas musicas ate hoje e para Mickey, seus sons eram chamados de “Alegres sons de Mickey Mouse!”.

A criação de Mickey deu a Walt uma estatueta de Oscar (sua primeira), foi indicado ao Nobel da Paz e ainda convidado para ser o Embaixador da Amizade entre os países das Américas, mas o maior de todos o reconhecimentos para Disney foi quando Chaplin exigiu que antes da exibição cinematográfica de Luzes da Cidade, fosse passado um desenho de Mickey Mouse e que assim fosse em todas as sessões. “Ao grande gênio que nos encanta em todas as pinceladas.” Ele teria dito

Com o tempo Walt, que sentia necessidade de sempre investir em seus desenhos animados, fechou um contrato com a Techinicolor para acrescer cor aos curtas que produzia. Antes de continuar com a sua criação de personagens para agregar à turma do Mickey (que já contava com Minnie Mouse, Pluto e Tico & Teco) Disney foi atrás da patente de Mickey, que foi registrada oficialmente no dia 10 de janeiro de 1932.

Além de acrescentar cores aos desenhos de Mickey e dar a ele seus dois melhores amigos (Donald e Pateta), Disney também conseguiu dar fama internacional ao rato, um parque temático com suas orelhas em todas as partes e ainda por cima fez com que, em 1978 Mickey fosse o primeiro personagem de animação a ter uma estrela na calçada da Fama.

Hoje Mickey tem um visual mais moderno do que aquele ratinho de Steamboat Willie. Seus desenhos são em tecnologia digital e obviamente seu dublador não é mais Walt Disney, mas tem algo intrínseco em sua essência que faz com que Mickey continue sendo amado. Mickey é bom, é honesto, generoso, um pouco atrapalhado, mas definitivamente é um otimista. Seu otimismo é a sua marca registrada, juntamente com a sua fala tão conhecida: “Oh boy!”.

Na comemoração de seus 80 anos Mickey foi TT e ganhou um infográfico contando um pouco mais sobre a história do camundongo mais famoso de todos. Confira: Infográfico Estadão

Via: Livros e Pessoas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s